Saturday, November 12, 2016

Quando você canta



(Para a Sade)

Ah,
se você soubesse
que quando você canta
arrepiando minha pele
a sua voz
fica fazendo cosquinha
no meu coração

Quando você canta
brota água das pedras
nascem rosas no deserto
abre o sol dentro das grutas
É o fim da escuridão.

Quando você canta, moça
acendem-se os vagalumes
E as andorinhas se juntam
para fazer o verão

8 comments:

Tania regina Contreiras said...


Ah, quero com a melodia agora! <3

Primeira Pessoa said...

Vai ficar linda, Taninha. Ari Mendes é bamba.
Beijão

R.

na vinha do verso said...

uau! cada vez melhor

Primeira Pessoa said...

marquinho, na impossibilidade de fazer poemas, como vocês, engendrei nesta nova empreitada, que é tentar conceber letras de canção. Tenho parceiros generosos.

beijão

r.

Dario B. said...


Parceiros generosos sim, mas é preciso talento também, meu caro. Vais indo bem.

Bandys said...

Tem pessoas que (en)cantam
quando cantam.
E eu volto a repetir
Há palavras que nos beijam como se tivessem boca.
Como se cantasse dentro do coração da gente por mais que exista outro lado.
Fique com aquele que te faça amor nas pálpebras, aquele que te anuncia que as palavras beijam...e não que elas cortam, matam.
Xiii..inspiração moço.
Linda poesia . Li e reli.
Beijos meus

Primeira Pessoa said...

Fico feliz que tenha gostado, Bandy's. Está virando uma bossa nova com um parceiro querido.
Beijão

R.

Primeira Pessoa said...

Dario,
esta comunhão com o parceiro dá uma outra dimensão as palavras.

Grande abraço

R.