Monday, January 2, 2012

4 poemas de nina rizzi

.


















divina comédia humana

(um bigode pra roberto lima
)



hortências no purgatório. cinco
signos do homem que agoniza.

petardo de 2,5 centímetros, cospe
em seu quintal. pensa, estavam lindas.


o limbo foi desinventado, pode
cair. estão nas sementes o núcleo

do poema. seu nome, verbo
pronto pra voar em águas.



Prelúdio pra rapsódia

saudades eu tenho de um qualquer que me habitasse;
de toda terra ou pedra, terrivelmente linda, real, dorida.

saudades dessas que me ficam assim, solidão mais fora que dentro;
dos mitos que ficam existindo dentro de mim.



lastro

a poesia dizia que a gente não ia mais parar
de se olhar. nunca mais, nunca mais.
e eu não li mais nada. quiçá viouvi. amiúde


deixei de me derramar também. hoje,


eu dou umas risadinhas como as suas. umas
risadinhas assim, meio de leve, de olhar buendía. de você
peguei isso, assim, sem querer. você

me dá vontade de chorar.




barcarola pra anti-homem


depois que virei nome de avenida em new orleans
varei madrugadas a tentar renascer pra trás:
estrelinha do mar.


mas não deu. ouvi
"todos têm medo de nina rizzi".


logo, pós-tudo, puro despeito ou rebeldia,
vou matar esses meus olhos-buendía.



A Música Que Toca Sem Parar:

porque a poeta gosta, ese pop de câmara, aqui...
Antony and The Johnsons, Cripple and The Starfish.

24 comments:

Adriana Karnal said...

Nina é ótima poeta, vale a poesia no inicio do ano.

Primeira Pessoa said...

adriana,
nina rizzi é uma poeta talentosa e uma pessoa imensa.

adoro a nina.

abração do
roberto.

Nina Rizzi said...

AH!!! e com a minha a minha música de renascer! presentão! :)

Primeira Pessoa said...

ô, ninuska,
e um dever cívico (como diria o renato) divulgar a sua poesia.
e, pode deixar que vou fazer, sim, aquele textim pra zorêieba do quandos.

beijão do seu fã,

r.

MIRZE said...

Sou fã da NININHA!

Tão grande como poeta e pessoa humana, mas para mim é uma criança que vive a brincar.

NINA TE AMO!

Obrigada, Roberto!

Presentão, mano!

Beijos

Mirze

Bípede Falante said...

Talento Rizzi que nina :)
Não a conhecia antes do seu aniversário (dos preparativos).
Pra você ver, Roberto, que quando um ganha um ano, outro pode ganhar também! rs
beijos

Primeira Pessoa said...

ganhamos todos, bípede...
acho que uma iniciativa como a que vocês tiveram - reunir afeto de diferentes pessoas numa coisa única - só poderia gerar este tipo de energia benfazeja, que vai se alastrando, um fogo do bem.

é a minha hora de homenagear todos eles.

beijo grande do

roberto.

Primeira Pessoa said...

ô, mirze,
a nina é uma menina, sim... mas é também a mãe de lavínia, uma mulher da luta, que cresceu e cresce diante dos nossos olhos.
sinto orgulho da nina. e de ser amigo dela.

e é uma poeta de talento imenso. sou fã das coisas dela.

beijão do

roberto.

CANTO GERAL DO BRASIL (e outros cantos) said...

"o limbo foi desinventado": bela invenção, mais uma, de Nina Rizzi, poeta de completa erudição, bom-gosto a toda prova...

Um 2012 repleto de poesia procê, Beto, e já começou bem...

Primeira Pessoa said...

da rama,
aguarde, pois você é o próximo, pois, sim, 2012 começou bem. muito bem!

afeição desse seu amigo lá do sãoremundo.

abraço maior do

roberto.

Vais said...

Tudo lindo aqui, Roberto,
você, a Nina com seus lábios vermelhos e sua poesia que mexe e remexe e 'dizia que a gente não ia mais parar' e mais a música que toca sem parar

um 2012 pra você e querid@s com tudo de bom recheado de muitas delícias

grande abraço

Andrea de Godoy Neto said...

A nina é uma poeta imensa!
eu adorei esses poemas-presentes, a linguagem dela sempre me conquista.

ah, e a música é linda demais.

beijo

dani carrara said...

esse terceiro foi um dos primeiros poemas que li da nina

e sou suspeita em falar
porque gosta tanto dela que chega dói


um abraço pra vcs

Primeira Pessoa said...

dani,
a nina rizzi tem esse poder de encantamento sobre a gente.

essa menina vai longe.

e a tertulia, esse ano? cê vai???

beijão,

r.

Primeira Pessoa said...

ô, dea...

a nina é das primeiras amizades que fiz na blogosfera. eu lia os poemas e não a imaginava tão jovem.

aliás, nina rizzi já nasceu com 20 anos de isade.

e a música é uma das favoritas dela. sempre soube que gostava. no dia que eu postar um poema seu aqui, vou ter que descolar um vitor ramil... algo assim.

beijão do

roberto.

Primeira Pessoa said...

vais,
ainda bem que a nina rizzi e seus iguais tem pessoas como você e eu para apreciar e tecer loas.

beijão do

roberto.

Tania regina Contreiras said...

Eu ainda não sou íntima da Nina. Já li, si, alguns de seus poemas, a originalidade dela é marcante. Há poetas aqui na blogosfera com os quais ainda não estabeleci uma intimidade maior. Penso que vou ter mais tempo para descobri-los.

Os poemas postados são excelentes.
Beijos,

Primeira Pessoa said...

taninha,
o legal é que a corrente cresce: jorge, assis, voce, marcantonio, mirze, nina, romerio, lírica, as danis delias e carrara, fouad, pizano, wilsons pereira e nanini, lelena, tuca, dea... se for citar todo mundo, ficaria o dia inteiro...

beijo grande do

r.

Daniela Delias said...
This comment has been removed by the author.
Assis Freitas said...

a Nina é tão tamanha que obnubila girassóis, mar sem vela, oceano estou nesta areia fina, deleito-se-me


abraço

Primeira Pessoa said...

zé de assis,
a nina foi a primeira pessoa a me falar de voce. e de seu ulysses no supermercado...

aliás, se não me falha a memória, ce prometeu me mandar um exemplar.... rs

beijao do

roberto.

Primeira Pessoa said...

dani,
eu também acho que poesia, musica, pintura... qualquer forma de arte é pra ser sentida e não explicada.

não curto essa estória de dissecar demais, explicar demais... poesia não é estatística...

beijo grande do

roberto.

Luciana Marinho said...

tão belos... de quem não só está no mundo, mas o cria numa linguagem sem tamanho.

e fui me refazendo lendo e sendo lida pela delicadeza.

beijinho, roberto!
quem me "nina".

Índigo said...

Volver aquí es degustar, aprender, sentir, dejarse llevar, volver a nacer. Gracias, Roberto, por este nuevo descubrimiento. No sé cómo podré devolverte tanta, tanta magia. Abrazo grande y añil.