Tuesday, June 5, 2012

O derradeiro canto do cisne

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
A imprensa brasileira só fala neste assunto.
Do Oiapoque ao Chuí ele é tema obrigatório nas rodas especializadas no rádio e na televisão.
Nas ruas, as opiniões são distintas:
Uma minoria - em preto e branco - o elogia, quer abraçá-lo.
Uma maioria esmagadora - em verde e amarelo - o execra, quer crucificá-lo.
Falou-se muito.
Bradou-se.
Alguns de dedos em riste.
Muitos o rejeitam.
Tantos o trucidam.
São milhões.
Eu me pergunto:
Por que Ronaldinho Gaúcho é tão odiado?
Por que motivo grande parte do Brasil quer vê-lo de joelhos, rastejando?
Seus melhores dias como futebolista estão no passado, certamente.
Seus dias de glória parecem distantes, como a invenção da internet ou o surgimento da mulata globeleza.
Mas ele não fez mal nenhum a ninguém.
Não matou. Não roubou. Não sequestrou.
Não corrompeu ou foi corrompido, agindo falsamente em nome do povo.
Pelo contrário: Ronaldinho Gaúcho sempre foi bom filho, bom irmão.
Fora do Brasil, durante muito tempo, foi motivo de orgulho nacional.
No retorno - tantos anos depois -, optou inicialmente pelo clube de maior torcida, como se quisesse, nesta volta, os afagos, os abraços, os braços do povo que ele nunca deixou de amar.
Mas o tiro lhe saiu pela culatra.
No futebol, um atleta com idade superior a 30 anos está na reta final da carreira.
Ele sabe. Sabemos. A diretoria rubro-negra, também.
E não é culpa de Ronaldinho se o Flamengo viu nele a possibilidade de lucros estrondosos de bilheteria e em venda de camisas.
Deu certo durante um tempo, mas bastou o time começar a não vencer, para que ele se transformasse numa espécie de bode espiatório, num Judas Escariotes, malhado impiedosamente pela diretoria e torcida.
A partir das derrotas, Ronaldinho virou pagodeiro, baladeiro, mulherengo e cervejeiro, comportamento absolutamente comum da grande maioria de seus colegas de profissão.
Mas Ronaldinho é alvo fácil.
Afinal, Ronaldinho Gaúcho ganha mais de um milhão por mês.
Ganha?
Não, não ganha.
Há mais cinco meses sem receber salário, queria ver qual o empregado que iria feliz para o trabalho.
E que cumprisse de bom grado a sua função.
O Flamengo e sua pífia diretoria quer tapar o sol com a peneira.
E só quem é absolutamente cego de consciência é que não consegue perceber, e fazer esta conta tão fácil de se fazer.
O Ronaldinho da Gávea não é o Ronaldinho dos tempos de Barcelona.
O mundo inteiro sabia (e sabe) disto.
É mais fácil arrastar sua carreira em decadência e sua moral de cidadão em praça pública - numa absurda inversão de valores -, do que assumir que se fez um péssimo negócio e, mesmo assim, honrar os compromissos assumidos, como qualquer pessoa de bom caráter tem a obrigação de fazer.
Torço muito para que Ronaldinho Gaúcho arrebente no Atlético-MG, grande arquirival do meu time de coração.
Que eu sofra com suas boas atuações e que chore com os seus gols.
Que ele jogue muito e cale seus críticos.
Que retome o caminho da vitória e que a bola continue lhe chamando por "tu", com a intimidade e carinho de sempre.
E que ele, com a carreira e a reputação reabilitadas, venha jogar aqui no Red Bulls, bem pertinho de nós.
Como fez David Backham no Los Angeles Galaxy, antes de seu derradeiro canto do cisne.
Ronaldinho merece. O bom futebol merece.
Esta estória merece um final feliz.

32 comments:

Janice Adja said...

Já passava do tempo.
beijos!

Primeira Pessoa said...

ô, Janice, que ele se fosse, ou que fosse reconhecido?


abração do

roberto.

Eduardo Neto said...

Bravo, Roberto! Concordo com você.Belo texto!

Só não sei mais qual é seu time de coração...

Primeira Pessoa said...

uai, Eduardo Neto, o arquirival do galo...
não é o Esab, não é o Sete de Setembro....
Cruzeiro???
acertei???? rs...


acertou, você.


abração do

roberto.

Eduardo Neto said...

Eu jurava que vc era atleticano, dada a sua paixão pelo Roberto Drummond. aqui é a Adriana Aleixo, mãe do Edu, é que eu esqueci que estava no perfil dele. Bjo.

Ninguém é perfeito... Cruzeirense Eca!

Primeira Pessoa said...

a paixão por roberto drummond,o amor por roberto drumond, ;e mais que tudo posto, adriana. é por laços de amizade e é por tudo o mais que a vida trata de nos reservar e oferecer.

roberto drummond me dedicou hilda furacão, mas sei que fui, pra ele (e bem o sei) quase um filho...
"apesar" de cruzeirense, sei apreciar (acredito que saiba) o que é d bem.
o que é pro bem.

e o que é pro bem.
portando, mãe do eduardo neto: TOME TENÊNCIA!


beijão do

roberto.

Irineu Magalhães said...

Amigo, foi-se o tempo em que perdia meu tempo assistindo futebol, quando menino conseguia ver paixão nos jogadores e clubes, até colecionei figurinhas,então veio a TV e destruiu tudo. Hoje é só mais uma futilidade, a ganancia, fama, andam lado a lado. É preocupante ver um pai de família trabalhando um filho de seis anos para ser jogador, privando-o até da escola. Esse aí, ao qual reivindica a glória, é só mais um janota que prove o espetáculo aos milhões de famintos, pois é necessário de fato pão e circo a todos. Besta é quem se deixa roubar momentos preciosos à frente da TV, pregado no sofá assistindo a vida passar.

líria porto said...

oh, beto - tiro o chapéu - vim preparada para o teu esculacho e tu defendes o ronaldinho dentro do atlético. a generosidade é um dom!
besos

Primeira Pessoa said...

lírica,
a cultura do rei morto, rei posto é das coisas que mais me magoam e confundem nessa vida. somos, todos, descartáveis, dizem que até nãs mãos de Deus.

não fiz mais do que a minha obrigação.

beijoca do

r.

Primeira Pessoa said...

belas palavras, Irineu.
belas e sábias.

vou aprendendo com você.
obrigado pela visita.

abração do

roberto.

Assis Freitas said...

esse já foi, do verbo findo, finou-se


abração

Primeira Pessoa said...

pode até ser, zé de assis... como atleta.
mas acho uma baita sacanagem estarem tentando destruir uma carreira vitoriosa, enlameando o nome de ronaldinho.

por outro lado, veja esta nova tendência: o grêmio contratou zé roberto (37), fabio aurélio (33); seedorf (sabe lá Deus que idade tem) tá com um pé no botafogo; dida, aos 39, fechou com a lusa... e alista não pára por aí...

percebeu???

Bípede Falante said...

Eu tenho um autografo do Ronaldinho e não vou rasgar.
beijoss

Primeira Pessoa said...

não rasgue, bípede...
não rasgue...

guarde com carinho o autógrafo de um dos maiores jogadores de futebol nascidos na sua terra em todos os tempos.

beijão do

r.

dade amorim said...

Roberto, concordo com você em número, gênero e grau. Também não entendo tanta implicância com Ronaldinho. E nem sou muito chegada a futebol.

Abraço.

Primeira Pessoa said...

dade,
nossa sociedade vive de construir e destruir mitos.

mas acho um exagero quando se trataronaldinho, que está longe de ser, por exemplo, um adriano, do flamengo.

ronaldinho não é maluf. não é ricardo teixeira. não é josé dirceu.

ele é apenas um menino mnegro que teve uma excelente carreira ganhando dinehrio jogando um jogo de crianças.

e até isso foi invenção do homem.
esse ser humano, cruel, que cisma agora que irá destruí-lo.

beijão do

r.

Marcantonio said...

Você está muitíssimo certo, Roberto, e não vai ser este rubro-negro que se empenhará em defender a patética diretoria do clube, apenas a mais recente de uma longa lista de incompetentes administrações. Grande decepção não é propriamente o Ronaldinho...
O que sei mesmo é que está a cada dia mais difícil suportar toda essa ritualística hipócrita no futebol, as contratações "momentosas", os beija-camisa, as apresentações e declarações de amor à torcida e os demais artifícios de marketing. Enjoa, sabe? Já está mais do que na cara que não se contrata um jogador apenas pelo que se espera que ele renda a longo prazo em campo. E não é de duvidar nada que, em breve, o confuso e instável Adriano esteja novamente jogando pelo Flamengo.
Enfim, eu que nunca gostei muito do Ronaldinho, me peguei aqui a pensar sobre o porquê disso. Realmente, não encontrei nenhum motivo justo.

Abração!

Primeira Pessoa said...

marquinho,
sobre esse assunto eu vi um video no youtube da grande nadadora patricia amorim, fantoche-pau-mandado da turma que se refestela dos ossos do urubu desde que o samba era semba.

rapaz, que coisa mais feia.
ficam devendo 5 meses de salário ao funcionário e vem falar de falta de profissionalismo?
com que cara de pau?

que motivação tem o trabalhador - qualquer trabalhador - de ir para o trampo sabedor de que não vai receber?

patrícia amorim é pífia.
seu discurso bandeira nação rubro-negra puiu, foi carcomido pelas traças da picaratagem, da safadeza, da desonestidade.

a nação rubro negra deveria fazer o impeachment de patrícia amorim.

infelizmente, a primeira mulher a comandar um grande clube do brasil, vai entrar para a história como um grande embuste.

Marcantonio said...

É verdade, uma pena. Se fosse fácil um indivíduo bem intencionado se impor a uma estrutura viciada e carcomida. Mas não é o que acontece, sabemos bem. E na primeira concessão que se é obrigado a fazer, já lá se vão as boas intenções.

Primeira Pessoa said...

marquinho,
é como sempre escutamos, desde meninos: de boa intenção o inferno está cheio... o poder corrompe, amigo querido.

quando patricia aorim fala, hoje, veja nela tudo o de ruim que vi nos marcios bragas, nos ahelal, nos abranches...

patricia amorim é (apenas) mais um cartola do futebol.


abração do

roberto.

Daniela Delias said...

Eu como comentarista de esportes sou um zero à esquerda rs (entendo nadinha, Beto). Lembro do Paulo Nunes uma vez falando sobre um momento do meu Grêmio em que a bola foi indo, indo, indo e...iu (lembra?). Mas da tua escrita, sempre apaixonada, falo com todas as letras: show de bola.

Bjo

;)

Primeira Pessoa said...

dani,
me lembro de você ter contado esse causo, mas eu pensava que era do centroavante jardel, outro gremista.... aquele que, segundo me contaram disse gostar mais de disputar clássicos porque a sua 'naftalina' subia muito nestes jogos...


estive no teu blog.
aplaudindo essa sua nova fase na poesia.

beijão,

r.

José Carlos Sant Anna said...

Seria impossível deixar de passar por aqui. Devo a Lelelna. E agora será parada obrigatória para saber se há pão de queijo feito na hora para a gente saborear.
A verdade é que este pãozinho, além de quente, traz uma massa lúcida, penetrante, mordaz contra a sociedade (esta que apupa Ronaldinho) e a diretoria do Flamengo, que inquieta, que incomoda, pois creio que não há um só aspecto que não tenha sido tocado por esta pena afiada que você tem. E se eles lessem e aprendessem ou apenas se tocassem e pedissem para sair levando apenas o boné, talvez alguma coisa melhorasse no futebol. Ainda bem que podemos contar com a sua pena, não para destituir os que fazem mal ao futebol brasileiro, como os dirigentes do Flamengo, mas para nos mostrar outra realidade que outros não veem.
Não é uma ameaça, mas volto... para o meu próprio bem... É sempre bom pão de queijo
Grande abraço,
José Carlos

Cristine Lima said...

Olá
Roberto,

tudo bem?

Passei para ler os seus textos... sempre muito bons...
Tem post novo lá no meu blog.
Abraço,

Primeira Pessoa said...

cristine lima,
deve ser minha prima, né?

seja mais que bem vinda. essa casa é sua.

abração do roberto.

Primeira Pessoa said...

josé carlos,
o grande barato desta corrente é que um amigo vai trazendo o outro, que vai trazendo o outro, que vai trazendo o outro e vamos todos nos abraçando.

daqui a pouco, seremos um milhão.

e, se você vem pelas mãos de lelena, vem por boas mãos, porque ela é uma amiga mais que querida, pessoa generosa, amiga dos amigos, capaz de gestos incríveis como este, recomendando-nos uns aos outros.

faça-se em casa.

abração do

roberto.

Jorge Pimenta said...

robertílimo,
acabo de ler a tua crónica e dou por mim a cismar: se o eusébio, no final da carreira, tivesse ido para o porto, numa transferência injusta e mal gerida pelo meu glorioso, alguma vez torceria pelas suas vitórias e bom futebol? agito-me na cadeira, coço os braços e não ouso outra resposta senão "impossível! o meu benfica saberia reconhecer, agradecido, tudo quanto um seu atleta-símbolo fizera por si e tê-lo-ia tratado bem." :)

agora mais a sério: génio mesmo, esse ronaldinho, hein? vi-o fazer coisas impossíveis, algumas delas na champions contra o benfica. e ainda hoje, ao que sei, é recordado com saudade pelo imenso barcelona, que, afogado nas dezenas de títulos que vem colecionando já depois da sua saída, bem poderia ter-se dele esquecido facilmente. mas não...
a propósito, quando tinha 18 anos chegou a treinar à experiência no vitória de guimarães e foi... dispensado. como é que pode?...

abraço com saudades tuas!

p.s. li-te no bípede. textaço, hein. és mesmo o ronaldinho dos blogues. só não estás em fim de carreira :)

Primeira Pessoa said...

jorgíssimo,
os tempos são outros.
o eusébio, hoje, talvez não fosse mais o jogador de alma (e coração) encarnada que foi...
o que mais me espanta, agora (e não sei se isso é bom ou ruim, mas é provável que seja bom, pois prolonga a carreira dos que se cuidaram melhor ao longo dos anos)... tem sempre um clube da rússia, do oriente médio e, mais recentemente do Brasil, disposto a jogar um caminhão de dinheiro em cima de um ex-jogador.
sim, porque ronaldinho vem jogando o suficiente nos últimos 2 anos (não estou me contradizendo, saiba) para ser considerado, na melhor das hipóteses, um ex-ronaldinho.
minha revolta tema ver com ingrtidão das massas, e picaretagem da diretoria do flamengo, que não paga há 5 meses e agora vem falar qe o atleta não estava sendo profissional.

eusébio hoje, há muito teria sido vendido por um navio de euros pros chelseas, barças e reais desa vida.... pense nisto: nem ele amaria tanto o benfica, nem o benfica seria recíproco...
apaixonado e leal, só o torcedor.
somos uns tolinhos, jorgíssimo.

porque isto tudo já não não é mais futebol. dinheiro é o nome do jogo que jogam.

que fique registrado um abraço desse seu amigo cruzeirens que venceu o botafogo (que está contratando o seedorf, de 38 anos) na quinta-feira, e de virada.

estávamos perdendo por dois a zero. viramos: 3 x 2.

beijão do

roberto.

ps: saudades demais aqui. lembranças do porto e de braga me lembram, o tempo inteiro, que meu coração ainda palpita.

Luciana Marinho said...

roberto,

não acompanho campeonato de futebol e escolho a dedo apenas alguns jogos da copa para assistir, assim iniciei a leitura de tua crônica sem interesse pelo tema, mas o interesse pela vida foi crescendo com o passar das linhas e ronaldinho foi o motivo para uma reflexão que vai muito além do futebol..

beijão!

Primeira Pessoa said...

lu,
eu acho que a cronica nem tem a ver com o futebol. sim, voce tem razão. a reflexão é essa.

e assim, vamos tentando melhorar as coisas, nem que seja um pouquinho.

um dia, a coisa fica melhor.

beijo grande do

r.

Índigo said...

A los humanos, nos gusta tener dioses pero, cuando los dioses se vuelven débiles (o lo que nosotros consideramos debilidad, es decir, tintes de humanidad), nos gusta derrocarlos y destrozarlos, conviertiéndolos en simples peleles... para irnos a por otro dios que buscar y que emcumbrar. Y vuelta a empezar... Un abrazo enorme, Roberto.

Tati said...

Ola, Roberto. Gosto muito dos seus textos.
Mas discordo da santidade atribuida ao Ronaldinho. Nao por ser gaucha (e gremista), mas acompanhamos por aqui dois grandes tropecos eticos do craque: quando saiu do gremio para a europa, deixou o clube gaucho sem lucrar um tostao, postergando sua renovacao enquanto ja havia assinado com o Paris Saint Germain, que so ganhou. A segunda sacanagem foi sua suposta volta ao gremio, anunciada por ele somente para aquecer o leilao do mercado. Cretinice pura. Driblou nossos ressentimentos com maldade de atacante. Pode lhe sobrar futebol, mas falta fair play. Abraco!