Wednesday, June 22, 2011

3 Poemas e Uma Letra de Salgado Maranhão

.














Do Raio
Nem o acre sabor das uvas
nos aplaca. Nem a chuva

nos olhos incendidos
devolve o que é vivido.

O magma que nos evapora
tange o rascunho das horas

sob um raio de suspense.
Nem o que é nosso nos pertence.



Do Arbítrio


Das estrias que a mão
esculpe
só o que brilha
sobrevive.

Nômade a manhã
despe o sol
à flor
da carne,
múltipla,
à vertigem da linguagem.

Não há comportas
nem caminhos

não há saaras
nem vienas

em tudo há rinhas
e arestas
de flores
e esquifes.

Em tudo entalha-se
ao revés
coisas que se mostram
e não se dão,
que só no verso vêem-se,
no peeling pelo avesso.
(Delitos que em seu exílio
transbordam de rubro
a lira,
resenham através do júbilo,
rasuram através da ira.)

Sopra revanche de ritmos
no íntimo viés do não dito,

sopra o arbítrio dos dias.


Desamanhecer

Agora,
na cidade da tua ausência
outro dia
desamanhece. E súplice
um grito escorre na paisagem.
Todos os lugares
são feitos do teu antes.
Da janela,
a noite chega
com as mãos vazias. E
tudo ao fim se esvai
em volta
como um tecido de ventos.


Só meu coração insiste
em erigir teu nome...
para além do esquecimento.




A Música Que Toca Sem Parar:
palavras de Salgado Maranhão para melodia de Herman Torres...
Caminhos de Sol


Sem você a vida pode parecer
Um porto além de mim
Coração sangrando
Caminhos de sol no fim
Nada resta mas o fruto que se tem
É o bastante pra querer
Um minuto além
Do que eu possa andar com você
Te amo e o tempo não varreu isso de mim
Por isso estou partindo
E tão forte assim
O amor fez parte
De tudo que nos guiou
Na inocência cega
No risco das palavras
e até no risco da palavra
Amor

Nada resta mas o fruto
que se tem
É o bastante pra querer
Um minuto além
Do que eu possa andar com você
Te amo e o tempo
não varreu isso de mim
Por isso estou partindo
E tão forte assim
O amor fez parte
De tudo que nos guiou
Na inocência cega
No risco das palavras
e até no risco da palavra
Amor

O amor fez parte
De tudo que nos guiou
Na inocência cega
No risco das palavras
e até no risco da palavra
Amor

25 comments:

Lídia Borges said...

Uma mão cheia de bom poetar.
Para beber em tragos lentos.

L.B.

Primeira Pessoa said...

ou, para beber de uma "golada" só.

abração, lídia.

Mirze said...

Roberto!

Esse Salgado é doce como mel.

Amei o poema "DO RAIO".

Quero mais!

Beijos

Mirze

Primeira Pessoa said...

acompanho ha muito tempo as coisas dele, mirze. ele fez letras maravilhosas para vital farias, nos oitenta, e eu escutava de me empanturrar uma chamada "trem da consciência".
é um poeta e tanto. cê tem razão.

beijo do

roberto.

margoh werneck said...

Que lindo!

De sonhar ninguém se cansa, porque sonhar é esquecer, e esquecer não pesa e é um sono sem sonhos em que estamos despertos.
Fernando Pessoa

Abraço.

Primeira Pessoa said...

sim, margoh...
ningueém deveria se cansar desse ofício sonhador.
bem vindo seja a poesia de pessoa.
bem vinda seja a sua poesia.

abração do

r.

Ma Ferreira said...

Amei sua postagem..
Me embebedei com lindos poemas..
"Nada resta mas o fruto
que se tem
É o bastante pra querer
Um minuto além..
Demais..

Um beijo..

Ma

Primeira Pessoa said...

um minuto além de vida, se preciso for, ma.

um minuto além, de tudo o que for bom nessa vida.

abração do

roberto.

Tania regina Contreiras said...

coisas que se mostram
e não se dão,
que só no verso vêem-se...

E nada mais digo... que é pra sentir agora.

Beijos, Roberto

Primeira Pessoa said...

para sentir sempre, taninha.
é essa a função fundamental da boa poesia.

beijão do
roberto.

Linda Simões said...

"Deus esteja nessa casa / em formato e coração

coração feito um menino / nordestino o destino

Na janela um pé de rosa / beija flor beija o quintal,

bem te vi, te vi, te vejo / que o desejo é natural..."


Beijão

Companheiro, camarada / Nessa estrada da canção

E falando em poesia de Vital Farias...

Primeira Pessoa said...

linda,
o disco taperoá, de vital farias, é um de meus favoritos em todos os tempos. sou fã dele.

que Deus esteja em todas as casas.

abração do

roberto.

Sopro Vida Sem Margens said...

..permita-me que lhe sorria ao compasso deste talento fruto do prazer deste amor incomparável abraçado ao verbo no presente do indicativo das palavras*


Um beijinho
da
Assiria

Nina Pilar said...

são três marias, são 3 cabras da peste...(entres os 4 violeiros – emociona suas letras líricas e cheias de gente real, que tem a cara do Brasil).
E tudo nesta trilogia tem a cara do vital como: "tinha ate um passarinho que apesar de ser visinho era grande companheiro" verso solto preso na memória ate olfativa, gosto desde desapego ao apego da lógica, ate pq três pode ser santo, e também muito humano. e mais ainda estes dias nascentes, estas horas cansadas vemos o ócio transformador.são três casas, tres poemas, três amores...
porque viver é sempre correr risco e há risco ate “ na palavras AMOR”...
como sempre muito bom. um deleite. uma afronta. muito prazer...
bjos e um excelente final de semana Roberto, e na primeira pessoa.

Amanda Lemos said...

Gostei bastante do Blog.
Muito interessante !

É bom ver a cada dia que passa mais originalidade nessa "blogosfera". :)

Deixo o meu aqui caso queira dar uma olhada, seguir..;
http://bolgdoano.blogspot.com/

Muito Obrigada, desde já !

Primeira Pessoa said...

amanda,
retribuirei a visita e o carinho.
mas será isso mesmo? estará correto o nome do blog?

abração do

roberto.

Primeira Pessoa said...

nina,
taperoá eu escutava advinhandio o meu hoje. se voce nao tem o disco, posso te enviar algumas faixas por email.

é um de meus discos favoritos,desde sempre.


beijao,

roberto.

Primeira Pessoa said...

assiria,
faça uso e gaudio.

que a emoção e a sensibilidade te guiem, hoje e sempre.

abração do

roberto.

OutrosEncantos said...

... porque é no coração que tudo nasce e cresce ou morre!...
gostei muito, Roberto :)
beijo.

Primeira Pessoa said...

acertou em cheio, moça dos outros encantos.

é no coração que se morre.
ainda que aos bocadinhos.

abração do

roberto.

Assis Freitas said...

amorágio, ágil na palavra, de gado e sal, oh mar salgado

abraço

Primeira Pessoa said...

tenho o disco, uma belezura.

cê gosta de "trem da consciência"?
é um espanto.

bejão, zé de assis.

Paulo Jorge Dumaresq said...

Bob, nesse seu garimpo descubro cada pepita que chego a calar fundo. Esse Salgado Maranhão é da melhor qualidade. Glória! Mais um para a minha galeria de grandes poetas. Graças a você. Fortíssimo abraço direto da Ponta do Morcego

Primeira Pessoa said...

pj,
salgado maranhão é contemporâneo nosso e, tenho certeza, ce ja escutou muita coisa dele no radio, sem sabê-lo.

fico feliz que ce tenha gostado.

beijao,

r.

Anonymous said...

Li, republicado com créditos no Site Lima Coelho
www.limacoelho.jor.br/vitrine/ler.php?id=7632