Friday, January 11, 2013

Um poemaço de Mia Couto























Fui Sabendo de Mim


Fui sabendo de mim
por aquilo que perdia

pedaços que saíram de mim
com o mistério de serem poucos
e valerem só quando os perdia

fui ficando
por umbrais
aquém do passo
que nunca ousei

eu vi
a árvore morta
e soube que mentia


 

Mia Couto,


in "Raiz de Orvalho e Outros Poemas"
Foto de Sebastião Salgado, gênio do olhar


 

29 comments:

ᄊム尺goん said...

"Fui sabendo de mim
por aquilo que perdia",
acredito que estou assim, sabendo muito mais de mim e do que preciso para ser feliz com aquilo que se vai, porque o que fica é o que merece ser meu..
lindo poema..
Bjo

eurico portugal said...

poemaço, mesmo! e esta ideia de que só nos conhecemos quando avaliamos as perdas não é apenas verdade poética...
em tudo o que ganhamos, acendemo-nos sem questionarmos; só o que não volta (ou o que nunca foi) nos agita além-razão. e o tempo faz-se sempre tão curto no balanço destes dois monstros sagrados...

abraço, robertílimo!

p.s. já afino retinas para o roteiro das lentes de antiquário (com uma ou outra tasca de permeio, pois claro). bora lá!

byTONHO said...



"es-quar-te-ja-mente" e corpo...


:o)

bulgari said...

Outro grande senhor da palavra!

Abraços
B.

Primeira Pessoa said...

concordo em gênero, número e grau, bulgari.
um dos maiores, entre os que vivem.

abraço grande do

r.

Primeira Pessoa said...

tintim por tintim... ou, como diria jack, o estripador.... parte a parte...rs

abração, tonho das nuvens.

r.

Primeira Pessoa said...

euriquíssimo,
seu livro de fotografias ja tem até sugestão de nome: Lentes de Antiquário.
Ou um blog só de fotografia...rs

rapaz, to com tanta vontade de ir ao porto que, no outro dia, sonhei que subíamos os caracóis das escadas do lello & irmão.

sem falar nas pataniscas, nas alheiras regadas a chope... e na prosa da boa...

em 2013 eu vou com bispo filho ao porto e a braga.

ja podemos combinar.

abração,

r.

Primeira Pessoa said...

margoh,
acho que isto so acontece quando vamos ficando mais entrados na vida.
começamos a perder coisase não coisas que não voltam, pessoas que não voltam mais... e a gente vai descobrindo que a gente se é, mas é um tantão de coisa junto, que fazem parte de nós.... polvos perdendo os tentáculos...

o tempo é uma espécie de lepra, ja notou?

beijão,
r.

Mariangela Alvarez said...

Grande Mia Couto
Betão

fui ficando
por umbrais
aquém do passo
que nunca ousei

A falta de ousadia me custou um sentimento perdido...
ou um ônibus desgovernado atravessou a rua e bateu num poste, na qual estana inscrito um coração cortado ao meio !

Um passo descompassado que perdi...

bj





Primeira Pessoa said...

mariângela,
acho que a gente vai substituindo as coisas, à medida que vamos caminhando. e assim vamos nós
até a chegada da morte, substituindo a vida.

às vezes eu fico achando que a morte é que é a dona de tudo.

beijão,

r.

Bandys said...

Um poema belo embora doido.

Eu fui sabendo por aquilo que ganhava, aos 15 ganhei a primeira dor dilacerante.
Aprendi a não perder nada. Tenho ganhos.

Salve Mia Couto

beijos

dade amorim said...

Não sei bem se estou certa, mas tenho a impressão de que esse poema tem alguma afinidade com o meu Veraão 3 - embora, é claro, não compare a qualidade deles.

Um grande abraço pra vc.

Índigo said...

Bellísimo pero no sólo con las pérdidas aprendemos. La mayoría sí pero ojalá aprendiéramos también con lo que no perdemos sino con lo que ganamos aunque no seamos conscientes de que lo ganamos. Muchas veces perdemos por eso: porque nunca nos damos cuenta de lo que tenemos hasta que lo perdemos y, entonces ya es demasiado tarde para ganarlo...

Un abrazo grande, Roberto y gracias por todos tus azules en mi horizonte. Siempre es una gran alegría leerte también entre mis azules.

Verso Aberto said...


eis poesia

evoé

Primeira Pessoa said...

falou o poeta marcos pizano.

beijão,
R.

Primeira Pessoa said...

indigo,
pudesse eu, viveria entre os azuis.
nem sempre é possível.

e então?
você que sabe tudo de literatura portuguesa, gosta de mia couto?

eu sou fã.

abração do

roberto.

Primeira Pessoa said...

dade,
preciso ler Verão 3.
onde encontro o poema? pode me passar o link?

abração do

r.

Primeira Pessoa said...

bandys,
acho que a dor começa no início de tudo.
afinal, dói até pra nascer, né?

beijão,
r.

Cecília Romeu said...

Roberto, moço simpático das Gerais,
pois é... conhecer-se a partir das perdas, Mia tem razão, acho que esse cara sempre tem razão (do que li até agora).

Valorizamos mais quando perdemos do que quando ganhamos, ou o por que de se auto conhecer mais com as perdas do que com os ganhos?
Creio que a gente sempre ganha quando perde, mesmo que não perceba; e sempre perde algo, quando ganha, mesmo que não perceba.

Conclusão: a gente só se conhece quando quer se conhecer e por necessidade, a tal da "sobrevivência", e geralmente isso acontece quando temos os traumas ou pseudo-traumas das perdas e ficamos ali dando uma de zagueiros.
Somos todos adolescentes ainda.

Humm... enrolei Roberto, sei que enrolei, tá bom? *-*

Sabe? Quase conheci o Mia Couto, ele veio na última Feira do Livro de Porto Alegre, mas tinha que esperar trocentas horas por uma senha..., desisti.

Sobre Satolep e os Ramil(s)! Passei toda minha primeira infância em Pelotas, oh cidade boa! Onde o pessoal ainda diz "bom dia".

Beijão, ótimo domingo e semana que começa!

eurico portugal said...

robertílimo,
não vamos deixar esse já tornar-se tempo-quase. em 2013, pois. e o teu amigo meu amigo é.
quanto às pataniscas, proponho umas feitas em braga, por alguém que sabe bem como temperá-las com água-na-boca :)
tenho um pedaço da lello, com pessoa a exultar à amizade, colado ao meu frigorífico - está escrito com a tua caligrafia e fecha, a tinta indelével,com a tua assinatura. ainda te recordas?

um abraço e um brinde a 2013, a braga e ao porto [porto-cidade, atenção; conheço os meus limites :)] e a nós!

p.s. hoje há um escaldante sl benfica vs fc porto. às 20.15h. este ano não damos hipóteses!!!

Adri Aleixo said...

Poemaço! Eis o estilo com o qual me identifico...

Beijo,

Primeira Pessoa said...

adri,
mia couto bate bem nas duas, seja prosa, seja poesia. tô lendo uns trem dele - tudo ! - ao mesmo tempo.
é campeoníssimo!

beijão,
r/

Primeira Pessoa said...

euriquíssimo,
um clássico de quatro gols é garantia de emoção. às venzes não vencemos, mas a adrenalina do jogo compensa.
as pataniscas de braga?
uai... pode colocá-las em meu nome.
to dentríssimo e tâmo marcados.

num tâmo???
abração do

r.

Primeira Pessoa said...

ana cecília,
em curitiba tem uma loja chamada Disapel, cujo slogan nos reclames de rádio é "a mais simpática"... rs
lendo você, foi o meu momento disapel mais efusivo e eu achei bunitim demais... aceito, simpaticamente, o simpático com que me veste.
dito isto, me recordo que nosso Jorge Pimenta se referiu a Peter Pantoliano, um amigo comum, como um "simpaticão". o que me faz pensar que vocês dois, queridíssimos que são, estão recolocando em uso a palavra simpático, tão colocada pra escanteio.

no entanto, meus ossos não mentem a minha idade.
a ausência de cabelos, também nao.
então, me aquieto.

na vida, contudo, aprendi que quem não sabe perder, não merece ganhar.
os perdedores amargos são a pior espécie de perddores que existe.

cê concorda?

beijão do

r.

guerreira xue said...

Mia Couto dispensa qualquer comentários.Já o seu Blog é riquíssimo, parabéns!
Você foi indicado pelo Blog Dos Escritores Sem Fronteiras com o "Selo Literário 2013".
http://escritoressemfronteiras2.blogspot.com.br/2013/01/selo-literario-2013.html
Abraço fraterno.
Att. Hilda Milk

Pólen Radioativo said...

Saudades imensas, Roberto. De tantas coisas... Há pedaços que perdemos que nos levam todo embora, daí ficamos assim...
O Mia é mesmo incrível.
E você, Roberto, imperdível.

Um beijo grande.

Primeira Pessoa said...

ô, Drika,
mas que surpresa mais que boa é esta sua visita.
Vou visitar o seu blog. Fui lá várias vezes nos últimos meses e vi que cê não tava postando material novo e nem questionei, pois sei que às vezes a gente precisa de um tempo.
Tomara que tenha voltado pra valer.
Sua poesia faz falta.
Você faz falta, saiba.

Beijão do

R.

Primeira Pessoa said...

Guerrira Xue,
agradeço muitíssimo o carinho.
Sim, Mia Couto é excelente.
Sou fã.

Grande abraço do

R.

LauraAlberto said...

eu tenho de vos por na linha senhores Roberto e Eurico...

o Porto também se está a sair bem...

pataniscas? parece bem.
e que tal francesinha com arroz?

beijos