Tuesday, February 5, 2013

Da moderníssima música portuguesa



Quebramos os dois
(Toranja)

Era eu a convencer-te de que gostas de mim,
Tu a convenceres-te de que não é bem assim.
Era eu a mostrar-te o meu lado mais puro,
Tu a argumentares os teus inevitáveis.


Eras tu a dançares em pleno dia,
E eu encostado como quem não vê.
Eras tu a falar p'ra esconder a saudade,
E eu a esconder-me do que não se dizia.


Afinal...
Quebramos os dois afinal.
Quebramos os dois...


Desviando os olhos por sentir a verdade,
Juravas a certeza da mentira,
Mas sem queimar de mais,
Sem querer extingir o que já se sabia.


Eu fugia do toque como do cheiro,
Por saber que era o fim da roupa vestida,
Que inventara no meio do escuro onde estava,
Por ver o desespero na cor que trazias.


Afinal...
Quebramos os dois afinal,
Quebramos os dois afinal,
Quebramos os dois afinal,
Quebramos os dois...


Era eu a despir-te do que era pequeno,
Tu a puxares-me para um lado mais perto,
Onde se contam histórias que nos atam,
Ao silêncio dos lábios que nos mata.


Eras tu a ficar por não saberes partir,
E eu a rezar para que desaparecesses,
Era eu a rezar para que ficasses,
Tu a ficares enquanto saías.


Não nos tocamos enquanto saías,
Não nos tocamos enquanto saímos,
Não nos tocamos e vamos fugindo,
Porque quebramos como crianças.


Afinal...
Quebramos os dois afinal,
Quebramos os dois afinal,
Quebramos os dois...


É quase pecado que se deixa.
Quase pecado que se ignora.


* Para o meu amigo Jorge Pimenta,
imperador de Braga e arredores.

10 comments:

Índigo said...

Un bello homenaje musical.

Ana said...

Gosto desta musica.

Beijinhos

Ana

Ingrid said...

gosto imenso das músicas portuguesas..
bela escolha..
abraço.
em tempo: por onde anda o Jorge? saudades..

LauraAlberto said...

Ah, Roberto que saudades tuas, do teu sorriso, da tua voz

e porque não vires a um concerto dos Toranja?

Beijinho

Primeira Pessoa said...

lauríssima,
to armando com jorge uma brincadeira de lançamento do livro em braga.
vamos matar as saudades.

só não topo concerto de quim barreiros e similares...rs

saudades demais de vocês.
mais que demais.

beijão, lauríssima.

R.

Primeira Pessoa said...

ingrid,
adoro sérgio godinho, trovante, vitorino...
esta turma mais antiga.
mas é bom descobrir os mais modernos...

fui a um show do madredeus aqui em newark, fiquei sentado na fila da frente e poderia jurar que teresa salgueiro (quando ela ainda era da banda) olhava pra mim... meu amigo sentado na última fila veio me contar a mesma coisa, imensa, onipresente, que ela é...

beijão,
r.

Primeira Pessoa said...

fico feliz que tenha gostado, ana.
trata-se de uma grande canção.

abração do

r.

Primeira Pessoa said...

sim,. indigo...
bela.
belíssima.

beijão do

roberto.

Ingrid said...

que delicia!
amo..

eurico portugal said...

meu querido amigo,
toranja é uma dessas bandas portuguesas que conseguem filtrar o melhor das melodias e voz com as boas letras, algumas delas saídas sabe-se lá de onde e tocando sabe-se lá o quê. gosto, gosto muito mesmo - a carta, quebramos os dois e também uma que arrepia só de a invocar: laços - http://www.youtube.com/watch?v=zIfKivOzpYw

um cheirinho:
"Tens riscos de mais
A estragar-me a pedra
Mas se vieres sem corpo
À procura de luz

Devolve-me os laços, meu amor!"

um abraço no sublinnhado deste verso: "eras tu a ficar por não saberes partir".

porque há pessoas e tanto de seu que deixa de saber partir, na roda viva da viagem!