Monday, February 28, 2011

3 Poemas de Luis Cernuda



















Monólogo de faroleiro


Como preencher-te, solidão,
Senão contigo mesma.
Em menino, entre as pobres guaridas da terra,
Quieto num canto escuro,
Procurava em ti, grinalda acesa,
Minhas auroras futuras e furtivos nocturnos,
E em ti os vislumbrava,
Naturais e exactos, também livres e fiéis,
À minha semelhança,
À tua semelhança, eterna solidão.

Depois perdi-me pela terra injusta
Como quem busca amigos ou ignorados amantes;
Diferente do mundo,
Fui luz serena, desenfreado anelo,
E na chuva sombria ou no sol evidente
Queria uma verdade que te atraiçoasse,
Esquecendo em meu anseio
Como as asas fugitivas criam sua própria nuvem.

E ao velar-se a meus olhos
Com nuvens sobre nuvens de outono transbordado
A luz daqueles dias em ti mesma entrevistos,
Neguei-te por bem pouco;
Por amores vulgares, nem certos nem fingidos,
Por calmas amizades de poltrona e aparência,
Por um nome de reduzida cauda num mundo fantasma,
Nauseabundos como os autorizados,
Úteis somente para o elegante salão sussurrado,
Em bocas de mentira e palavras de gelo.

Por ti encontro-me agora o eco da antiga pessoa
Que fui,
Que eu próprio manchei com aquelas traições juvenis;
Por ti encontro-me agora, constelados achados,
Limpos de outro desejo,
O sol, meu deus, a noite rumorosa,
A chuva, a intimidade de sempre,
O bosque e seu hálito pagão,
O mar, o mar, belo como o seu nome;
E sobre todos eles,
Corpo escuro e esbelto,
Encontro-te a ti, ó solidão tão minha,
E dás-me força e debilidade,
Como à ave cansada os braços da pedra.

Debruçado na varanda olho insaciável as ondas,
Oiço suas escuras maldições,
Contemplo seus brancos afagos;
E erguido de um berço vigilante
Sou na noite um diamante que gira a avisar os homens,
Por quem vivo, mesmo quando os não vejo;
E assim, longe deles,
Esquecidos já seus nomes, amo-os em multidões,
Roucas e violentas como o mar, minha morada,
Puras perante a espera de uma revolução ardente
Ou rendidas e dóceis, como o mar sabe ser
Quando chega a hora do repouso que sua força conquista.

Tu, verdade solitária,
Transparente paixão, minha solidão de sempre,
És um imenso abraço;
O sol, o mar,
A escuridão, a estepe,
O homem e seu desejo,
A multidão irada,
- Que são senão tu mesma?
Por ti, minha solidão, procurei-os um dia;
Em ti, minha solidão, amo-os agora.


***

Não dizia palavras,
Aproximava apenas um corpo interrogante,
Porque ignorava que o desejo é uma pergunta
Cuja resposta não existe,
Uma folha cujo ramo não existe,
Um mundo cujo céu não existe.
Entre os ossos a angústia abre caminho,
Ergue-se pelas veias
Até abrir na pele
Jorros de sonho
Feitos carne interrogando as nuvens.
Um contacto ao passar,
Um fugidio olhar no meio das sombras,
Bastam para que o corpo se abra em dois,
Ávido de receber em si mesmo
Outro corpo que sonhe;
Metade e metade, sonho e sonho, carne e carne,
Iguais em figura, iguais em amor, iguais em
desejo.
Embora seja só uma esperança,
Porque o desejo é uma pergunta cuja resposta
ninguém sabe.


***

Não é o amor quem morre,
somos nós mesmos.


Inocência primeira
Abolida em desejo,
Olvido de si mesmo em outro olvido,
Ramos entrelaçados,
Para quê viver se desapareceis um dia?


Só vive quem olha
Sempre ante si os olhos da aurora,
Só vive quem beija
Esse corpo de anjo pelo amor levantado.


Fantasmas da dor,
Ao longe, os outros,
Os que esse amor perderam,
Como lembrança em sonhos,
Correndo as tumbas
Abraçam outro vazio.


Por aí vão e gemem,
Mortos em pé, vidas sob a pedra,
Agredindo a impotência,
Arranhando a sombra
Com inútil ternura.
Não, quem morre não é o amor.


A Música Que Toca Sem Parar:
de Fagner e Zé Ramalho e na interpretação de ambos, esse invento espanholado como Luís Cernuda... Filhos do Câncer.

Hoje quero sentir-me, quando deitar-me nas pedras
Como um lagarto que dorme, na incoerência das eras
Sentar-me-ei entre feras e sentirei no seu hálito
A solução das esperas e um sofrimento esquálido
Adormecendo as uvas, reconstruindo em favas
Aconteceram as chuvas, redespertaram em lavas
Compareceram em chamas, estrangularam as falas
Carbonizaram miúdos, perpetuaram-se em galas

Filhos de freud, filhos de marx
Filhos de brecht, filhos de bach
Filhos do câncer, filhos de getúlio
Filhos do carbono, filhos de lampião

Se fosse fácil todo mundo era
Se fosse muito todo mundo tinha
Se fosse raso ninguém se afogava
Se fosse perto todo mundo vinha
Se fosse graça todo mundo ria
Se fosse frio ninguém se queimava
Se fosse claro todo mundo via
Se fosse limpo ninguém se sujava
Se fosse farto todos satisfeitos
Se fosse largo tudo acomodava
Se fosse hoje todo mundo ontem
Se fosse tudo nada aqui restava
Se fosse homem junto com mulher
Se cada bicho fosse como vou
Se fosse tudo claro pensamento
Nesse momento nada se criou

17 comments:

Fatima said...

Sodade do cê Roberto!
bjs.

Assis Freitas said...

desmedidas canções abrem-se aos horizontes, desvelam, revelam


abraço

Luiza Maciel Nogueira said...

poesia de primeira linha! é o desejo é essa coisa que ninguém vê acontecer mas sente - a superfície da pele não revela

beijos

Paulo Jorge Dumaresq said...

Solidão, angústia, verdade, desejo, amor, dor... são temas caros a esse estupendo poeta portuga Luís Cernuda.
Domina o idioma luso como ninguém. Estou com Caetano e não abro: "Gosto de sentir a minha língua roçar a língua de Luís de Camões".
Em tempo: Bob, não sei se você sabe, o garoto Wallyson que está arrebentando no seu Cruzeiro é potiguar da gema, formado nas categorias de base do ABC. Depois foi para o Atlético Paranaense e agora se encontra na Toca da Raposa. Outro potiguar que brilhou no Cruzeiro foi o lateral/ala Nonato. Caríssimo, parabéns pela postagem e continuidade de ótima semana.

Primeira Pessoa said...

uai, cê sumiu do blog, fátima...

seja bem aparecida...rs
essa casa é sua.
abração do

r.

Primeira Pessoa said...

uma canção pra cada momento, assis.

no seu blog, mil e uma canções escritas desenham-se lentamente.

abração do

roberto.

Primeira Pessoa said...

paulo poeta,
esse menino wallyson promete. está se tornando ídolo da equipe numa rapidez estonteante.
nonato me deu muitas alegrias. é respeitadíssimo até hoje.

grande abraço do

roberto.

Primeira Pessoa said...

luiza,
poesia da boa encontra morada em pessoas como você.

quem sabe, sente ao vivo.

abração do

roberto.

Jorge Pimenta said...

na primeira fila para mais uma actuação de primeiríssima água pela mão de um primeiríssimo amigo que busca e rebusca nos bolsos de boa colheita o que de melhor se escreve por aí. e a plateia, agradecida, aplaude.
um abraço desde braga, querido amigo!

Primeira Pessoa said...

jorgíssimo,
e o benfica virou, ontem, nos finalmentes... sobre o leão. acompanhei à distância e te imaginei feliz.
fiquei feliz, por osmose...rs

rapaz, ando meio murcho. esse inverno, felizmente, está chegando ao seu final. ainda bem.

abraço grande, abraço de amigo do

roberto.

Jorge Pimenta said...

querido amigo,
este benfica tem-me dado alegrias do outro mundo. já vai em 18 jogos oficiais consecutivos sempre a ganhar. a fifa acaba de anunciar o ranking de fevereiro (creio) e imagina qual foi considerado o melhor "time" do mundo. o glorioso, pois claro. está a jogar um futebol de fazer inveja à geração do próprio eusébio, hehehe.
então, esse inverno, desta vez, não acabou sustido nos vidros da janela? raios, também fui sentindo os seus efeitos por cá. escorre pela pele e aloja-se nos ossos, convencendo-nos de que fomos feitos para a melancolia. felizmente chega o março e o bom tempo há-de lavar-nos por dentro.
um forte abraço primaveril, querido amigo!
p.s. vou passar uns dias a bolonha para retemperar energias. sair sempre ajuda, verdade? maybe you should try it, as well.

Primeira Pessoa said...

imenso jorgíssimo,
bolonha?
o único bolonha que conheço é uma espécie de salame...rs
nunca fui à itália. aliás, estive na europa poucas vezes (frança, inglaterra e portugal)... acho tudo muito lindo por aí... tenho imensa vontade de ir a praga, andaluzia (a regiao inteira) e aquele circuito mediterrânico grécia-itália, que voce ja deve conhecer muito bem. ah, sim, claro, e voltar a portugal.

quero muito voltar a portugal. e quando isto acontecer, pagas-me um fino (imperial?), pois vou com sede...rs

benfica em grande e ganhando dinheiro com a vnda de seus caraques. rei encarnado morto é rei encarnado posto.

curta bolonha. curta muito!

abraçao do

roberto.

Jorge Pimenta said...

robertílimo,
a mala ainda não está feita, porque para viajar apenas preciso do bilhete e de uns trocos no bolso. o resto, acontece. a partir de amanhã.
quanto à imperial... rapaz, imperial e tremoços, pois claro :)
um abração!

Primeira Pessoa said...

tremoços, que em aqui nos states chama-se lupini beans... e eu adoro... com uma cervejota bem gelada.
cara, cou tentar te visitar esse ano. não tema: não pedirei pra ficar na sua casa...rs... mas vamos ajeitar um encontro regado a amizade e comida portuguesa, da boa...
em lisboa, em braga ou no porto...
deixa só eu me organizar.

abração,
roberto.

Poeta Renato Douglas said...

Olá adorei teu blog, lindo mesmo. Parabéns. Fique a vontade para fazer uma visitinha ao nosso “Alto-falante” e seja mais um membro. Você é nosso convidado especial. http://poetarenatodouglas.blogspot.com/.
Um grande abraço!

Renato Douglas!

Primeira Pessoa said...

seja bem vindo, renato.
essa casa é sua.
abração do

roberto.

ps: se você é de teófilo otioni, tem o meu carinho. a parte maior de meu coração bate aí, nesse vale.

Índigo said...

Me encanta Luis Cernuda y ese lugar donde habite el olvido que nos dejó en cada uno de sus poemas. Bellos los poemas que nos has elegido, Roberto. Un abrazo de mar añil. Índigo