Monday, September 20, 2010

...escutando Rodrigo Leão



No me olvides
yo me muero
Amor
mi vida es sufrimiento
Yo
te quiero en mi camino
Por vos
cambiaba mi destino

Ay,
abrázame esta noche
aunque no tengas ganas
prefiero que me mientas
tristes breves nuestras vidas
acércate a mí
abrázame a ti por Dios
entrégate a mis brazos.

Tengo
un corazón penando
Yo sé
que vos lo está escuchando
Con
mil lágrimas te quiero
Pasión
sos mi amor sincero

Ay,
abrázame esta noche
aunque no tengas ganas
prefiero que me mientas
tristes breves nuestras vidas
acércate a mí
abrázame a ti por Dios
entrégate a mis brazos

13 comments:

Pólen Radioativo said...

Roberto,

Meia-noite em ponto.
A música segue tocando e a única coisa que consigo pensar é porque não tenho aqui um bom vinho... Português de preferência, pra combinar.

Ainda que sem o vinho, dormirei embriagada pela música, querido!!!

Beijos...

Assis Freitas said...

é extremamente excitante este tipo de dança, este tipo de música, lembra o último tango em paris e aquela cena de perfume de mulher com Pacino e una chica despudoradamente bela,


abração

Zélia Guardiano said...

Lindo demais, Roberto!
A boa música tem o poder de fazer revolução dentro da alma da gente.
Grata pelo especial momento!
Abraço

Carla Farinazzi said...

Textos ótimos... Parabéns. Esta música é maravilhosa... "abrázame esta noche", linda melodia também...
E como você gosta de tudo da lavra de Rubem Braga, deixo o meu, que mais amo:
"A mulher e seu passado"
abril, 1964
Ela conta a história de uma freira que a atormentava no internato, em seu tempo de menina; de um homem que a fez viver longamente entre o desespero e o tédio, a revolta e a humilhação. E fica meio magoada porque a tudo eu sorrio, porque eu não pareço participar do sentimento com que ela fala contra essa gente que passou. Afinal ela também sorri: "Você é meu amigo ou amigo da onça?"
Sou seu amigo. Mas rico ri à toa, e eu me sinto vertiginosamente rico porque essas histórias, alegres ou tristes, ela me conta de mãos dadas, junto de mim. Digo-lhe isso; mas não lhe confesso que aprovo e abençôo todas as coisas e pessoas que povoaram seu passado, e tenho vontade de dizer:
"Benditos teu pai e tua mãe; benditos os que te amaram e os que te maltrataram; bendito o artista que te adorou e te possuiu, e o pintor que te pintou nua, e o bêbedo de rua que te assustou, e o mendigo que disse uma palavra obscena; bendita a amiga que te salvou e bendita a amiga que te traiu; e o amigo de teu pai que te fitava com concupiscência quando ainda eras menina; e a corrente do mar que te ia arrastando; e o cão que uivava a noite inteira e não te deixou dormir; e o pássaro que amanheceu cantando em tua janela, e a insensata atriz inglesa que de repente te beijou na boca; e o desconhecido que passou em um trem e te acenou adeus; e teu medo e teu remorso a primeira vez que traíste alguém; e a volúpia com que o fizeste; e a firme determinação, e o cinismo tranqüilo, e o tédio; e a mulher anônima que te vociferou insultos pelo telefone; e a conquista de ti por ti mesma, para ti mesma; e os intrigantes do bairro que tentam te envolver em suas teias escuras; e a porta que se abriu de repente sobre o mar; e a velhinha de preto que ao te ver passar disse: "moça linda..."; bendita a chuva que tombou de súbito em teu caminho, e bendito o raio que fez saltar teu cavalo, e o mormaço que te fez inquieta e aborrecida, e a lua que te surpreendeu nos braços de um homem escuro entre as grandes árvores azuis. Bendito seja todo o teu passado, porque ele te fez como tu és e te trouxe até mim. Bendita sejas tu."
Rubem Braga
Um beijo

Carla Farinazzi

Carla Farinazzi said...

Roberto, adoro seus textos. Linda esta música "Ay, abrázame esta noche" e linda a melodia também... Parabéns.

E como você gosta de tudo da lavra de Rubem Braga, deixo o meu, que mais amo:
"A mulher e seu passado"
abril, 1964

Lindo...

Um beijo

Carla Farinazzi

Primeira Pessoa said...

moça do pólem,
invariavelmente, à meia noite minha carruagem vira abóbora...rs
tenho dormido cedo, minha boemia (e, às vezes a alegria) cansou-se de mim...

mas sei exatamente o que cê sentiu escutando este tango lusitano.
é de rara beleza...

abraço imenso, procê.

r.

Primeira Pessoa said...

assis,
do último tango em paris me lembro dos "tetones" de Maria Schneider e da cena da manteiga...rs
do filme perfume de mulher lembro-me bem... emocionei-me, ali.
e, al pacino esteve impecável...

belas lembranças, gardel do rio vermelho.

beijão do

r.

Primeira Pessoa said...

Zélia, a boa música anda de bicicleta dentro de nós.
e, às vezes, faz um enorme estrago.

música me emociona demais.
além da conta.

beijão,
r.

Primeira Pessoa said...

carla,
rubem braga é, na minha opinião, o maior poeta da crônica que o brasil já produziu.
ele transformava a queda de uma folha de uma árvore, num desfile de carnaval na sapucaí... numa sinfonia de mozart...

seu post despoertou em mim a vontade de reler rubem braga.

farei-o esta semana ainda.

é bom ver voce por aqui, entre os meus.

abração do

roberto.

jad said...

Parabéns, Roberto, pela escolha.

Rodrigo Leão é uma das minhas melhores visitas musicais, desde os Sétima Legião e os Madre Deus.

Abraço

Sofia Aguarela said...

Roberto, que escolha bonita! Rodrigo é realmente um Leão, é como um rei da selva. ADORO. Dos melhores e mais completos artistas de sempre.
Muito bem!

Abração!
Nunca vou deixar de vir aqui. Obrigada.

Sofia.

Primeira Pessoa said...

sofia,
eu sentia falta de sua presença entre os meus.

você, aqui, deixa sempre um azul de sua paleta generosa.

abração do

roberto.

Primeira Pessoa said...

jad,
cheguei bem depois do sétima legião...
mas acopmpanhei o madredeus direitinho... os vi tocar... teresa salgueiro, juro (rs), pareceu-me cantar só para mim...rs

beijao

r.