Thursday, September 2, 2010

.

Os Estatutos do Homem
(Ato Institucional Permanente)

A Carlos Heitor Cony


Artigo I
Fica decretado que agora vale a verdade.
agora vale a vida,
e de mãos dadas,
marcharemos todos pela vida verdadeira.

Artigo II
Fica decretado que todos os dias da semana,
inclusive as terças-feiras mais cinzentas,
têm direito a converter-se em manhãs de domingo.

Artigo III
Fica decretado que, a partir deste instante,
haverá girassóis em todas as janelas,
que os girassóis terão direito
a abrir-se dentro da sombra;
e que as janelas devem permanecer, o dia inteiro,
abertas para o verde onde cresce a esperança.

Artigo IV
Fica decretado que o homem
não precisará nunca mais
duvidar do homem.
Que o homem confiará no homem
como a palmeira confia no vento,
como o vento confia no ar,
como o ar confia no campo azul do céu.

Parágrafo único:
O homem, confiará no homem
como um menino confia em outro menino.

Artigo V
Fica decretado que os homens
estão livres do jugo da mentira.
Nunca mais será preciso usar
a couraça do silêncio
nem a armadura de palavras.
O homem se sentará à mesa
com seu olhar limpo
porque a verdade passará a ser servida
antes da sobremesa.

Artigo VI
Fica estabelecida, durante dez séculos,
a prática sonhada pelo profeta Isaías,
e o lobo e o cordeiro pastarão juntos
e a comida de ambos terá o mesmo gosto de aurora.

Artigo VII
Por decreto irrevogável fica estabelecido
o reinado permanente da justiça e da claridade,
e a alegria será uma bandeira generosa
para sempre desfraldada na alma do povo.

Artigo VIII
Fica decretado que a maior dor
sempre foi e será sempre
não poder dar-se amor a quem se ama
e saber que é a água
que dá à planta o milagre da flor.

Artigo IX
Fica permitido que o pão de cada dia
tenha no homem o sinal de seu suor.
Mas que sobretudo tenha
sempre o quente sabor da ternura.

Artigo X
Fica permitido a qualquer pessoa,
qualquer hora da vida,
uso do traje branco.

Artigo XI
Fica decretado, por definição,
que o homem é um animal que ama
e que por isso é belo,
muito mais belo que a estrela da manhã.

Artigo XII
Decreta-se que nada será obrigado
nem proibido,
tudo será permitido,
inclusive brincar com os rinocerontes
e caminhar pelas tardes
com uma imensa begônia na lapela.

Parágrafo único:
Só uma coisa fica proibida:
amar sem amor.

Artigo XIII
Fica decretado que o dinheiro
não poderá nunca mais comprar
o sol das manhãs vindouras.
Expulso do grande baú do medo,
o dinheiro se transformará em uma espada fraternal
para defender o direito de cantar
e a festa do dia que chegou.

Artigo Final.
Fica proibido o uso da palavra liberdade,
a qual será suprimida dos dicionários
e do pântano enganoso das bocas.
A partir deste instante
a liberdade será algo vivo e transparente
como um fogo ou um rio,
e a sua morada será sempre
o coração do homem.

Thiago de Mello
Santiago do Chile, abril de 1964



A Música Que Toca Sem Parar:
Monica Salmaso canta de Ná Ozzetti e Itamar Assunção, Eu Canto Em Qualquer Canto

Vim cantar sobre essa terra
Antes de mais nada, aviso
Trago facão, paixão crua
E bons rocks no arquivo
Tem gente que pira e berra
Eu já canto, pio e silvo
Se fosse minha essa rua
O pé de ypê tava vivo

Pro topo daquela serra
Vamos nós dois, vídeo e livros
Vou ficar na minha e sua
Isso é mais que bom motivo
Gorjearei pela terra
Para dar e ter alívio
Gorjeando eu fico nua
Entre o choro e o riso

Pintassilga, pomba, melroa
Águia lá do paraíso
Passarim, mundo da lua
Quando não trino, não sirvo
Caso a bela com a fera
Canto porque é preciso
Porque esta vida é árdua
Pra não perder o juízo

35 comments:

Mirze Souza said...

M A R A V I L H O S O!!!!!!!

Todos os parágrafos, se seguidos....que mundo teríamos!

No IV parágrafo então, ali fiquei muito tempo imaginando a verdade em cada um. Sem medo de rebate.

Mais lindo ainda, por ser de um chileno, que passam agora pela terrível situação dos homens soterrados nas minas de carvão.

Parabéns pela postagem, ROBERTO!

De tirar o fôlego!

Beijos

Mirze

Paulo Jorge Dumaresq said...

Que estatutos, Roberto.
Se fossem cumpridos à risca teríamos - nós, humanos - muitos mais dias de felicidade.
Belo, belo.
Aquele abraço das dunas de Jenipabu.

Tania regina Contreiras said...

Ah, adoro os estatutos do homem e o thiago...E a música, nossa, belezura:
"Gorjeando eu fico nua
Entre o choro e o riso..."

essa não tenho, dessa gostei foi muito...:-)
Abraços, Roberto

Juliana M. Mesquita said...

Ah, é brilhante este Estatutos do Homem. Espero que os corações nunca parem de sonhar tão lindo assim!
" Canto porque é preciso"
Adorei essa postagem! :)
Sorrisos pra ti, até breve!

Júlio Castellain said...

...
Olá, meu caro Roberto.
Tudo isso é maravilha.
Meu abraço.
...

Primeira Pessoa said...

sim, julio...

tudo isto é maravilha.

essencialmente.
definitivamente.

abraço grande do

roberto.

Primeira Pessoa said...

tania,
ficou muito legal esta parceria de ná ozzetti e itamar assunção, uma das maiores perdas da mpb da história recente.

se fosse minha esta rua, o pé de ipê tava vivo.

bonito, né?

abração do

roberto.

Primeira Pessoa said...

mirze,
no outro dia vi um especial na tv sobre o rio guaporé e thiago de melo recitava sob uma sombra frondosa de uma árvore.
ele é brasileiríssimo, mas foi diplomata brasileiro no chile. é um dos maiores poetas de todos os tempos.

sou fã.

e esta situação dos mineiros no chile.... putz, fico pensando... calçando suas botas... imaguinando-me dentro de um buraco escuro e úmido... sabedor de que existe uma possibilidade de voltar a ver a luz do dia "daqui a 4 meses"...

ô, é enlouquecedor.

beijão do

roberto.

Primeira Pessoa said...

pj, poeta de jenipabu...
apreciador das coisas bonitas, poeta em essência...

ja te falei de minha admiração, né?

sua presença aqui é um luxo.

abração do

roberto.

Primeira Pessoa said...

pois é, juliana...
sonha-se com o coração... achei bonita esta sua abordagem.

é muito bom te ler por aqui.

abração do

roberto.

Assis Freitas said...

Um dos textos fundamentais da nossa literatura. eu cheguei a ter um cartaz com este poema, numa época que se produzia essa arte na universidade,

abração de bom regresso

Luiza said...

Passei por aqui Roberto e adorei tudo, por isso vou ficar e te seguir...
Bom final de semana.
Beijooo

***

Tania regina Contreiras said...

Beleza, sim, Roberto...Esse trecho que você citou é demais! Belíssima, obrigada pelo envio da música, estou ouvindo e reouvindo de tão linda que é.
Que bom vc voltou, fazia falta, viu?
Beijos

Primeira Pessoa said...

Tania,
aqui é como na rádio educadora rio doce...rs
pediu a música, é atendido na hora.

que bom que gostou.

abração,
r.

Primeira Pessoa said...

seja bem vinda, luiza.
é você (e quem aqui vem) quem faz o blog.

fico gratíssimo!

abração do

roberto.

Primeira Pessoa said...

assis,
este é um dos grandes poemas do brasil.
aliás, precisamos fazer uma listinha...

o que acha da idéia?

eu começo sugerindo mais quatro:
Versos Íntimos, de augusto dos Anjos.
José, de Drummond.
Vou-me Embora Pra Passargada, de Bandeira.
Canção do Exílio, Gonçalves Dias.

quem sabe não aparece mais alguém pra engrossar nosso caldo?

beijão,

r.

Gerana Damulakis said...

Que bom reler Thiago de Mello; por conta desse momento, farei brevemente uma postagem com um poema dele.
Como foi bom ter entrado aqui agora.

CANTO GERAL DO BRASIL (e outros cantos) said...

Roberto,
Pra engrossar o caldo, eu trago:
Soneto de Fidelidade, de Vinícius;
Tragédia no Lar, de Castro Alves;
Com Licença Poética, Adélia Prado;
Motivo, Cecília Meireles...
Revendo sua lista, lembro que José e Pasárgada foram divinamente musicalizados por Paulo Diniz, numa época em que os compositores se serviam dos poetas...
Bela época, poeta, bela época...
No último comentário pode ter parecido impróprio quando eu disse assim: "Férias! Nunca vi a cor disso..." Nada contra (muito antes pelo contrário) quem goza seu merecido descanso prolongado; eu é que preciso aprender a ser menos escravo de mim para os outros, amigo...
E essa lista de poemas que você alevantou pede uma mesa de bar urgente, cronista, e os amigos em volta, e isso lembra uma canção da Elis e eu paro aqui, senão...

Abraço mineiro irradiado via educadora do rio doce,
Darrama.

Zélia Guardiano said...

Lindo demais!
Pacote de alto luxo...
Que estatuto! Ah...
Que música! Ah...
Que tudo! Ah...
Grata, Roberto, por mais esta maravilha que divide conosco.
Forte abraço, amigo!!!

Andrea de Godoy Neto said...

roberto,
esta é, literalmente, de arrepiar...

um beijo

Primeira Pessoa said...

andrea,
que bom estramos juntos, de novo.

de arrepiar, a amizade, quando da boa.

beijão,

r.

Primeira Pessoa said...

da`rama,
belíssimas intervenções.
adiciono poema sujo, de ferreira gullar.

e quem quiser que engrosse o caldo...rs

tá aberto o desafio.

beijão,

r.

Primeira Pessoa said...

gerana,
se depender de pessoas especiais como você, a palavra boa jamais morrerá.

vou correr ao seu blog.

beijão,

r.

Primeira Pessoa said...

zélia, querida...
e que possa sensível é você.

olhos de contemplação,

r.

Jorge Pimenta said...

olhando para essa listinha que esboças com o assis, eu voto no "versos íntimos" como nº 1 :)
a propósito, sabe que é bom estares de volta. já sentíamos saudades tuas, ou não fosses tu - não me canso de o dizer, porque o sinto profundamente - o guru desta "turma" que gravita em torno da palavra.
pois, querido amigo, sobre a deixa de nos sentarmos e bebermos um porto dulcíssimo virado para o douro, quero dizer-te que também tenho favaios e olha que é de lavrador. a origem é a mesma: o douro cor-de-mel! arranjo, também, um alvarinho finíssimo, com o aroma da alma, que pode muito bem ser degustado numa qualquer varanda do rio minho. tu escolhes. basta apenas que pises terras de viriato. cá estarei esperando!
um forte e sincero abraço!

Primeira Pessoa said...

jorgíssimo,
em 2011 beberemos estes e mais alguns.está marcadíssimo.
ó, a idéia cresceu. vou ver com a turma toda para começarmos uma enquete: qual o maior poema brasileiro de todos os tempos?

rapaz, isto vai ficar bacana.
provemos uma lista, e damos a oportunidade do votante adicionar uma obra.

vou consultar assis e fouad.

é promissor.

abração do

roberto.

Francisco de Sousa Vieira Filho said...

Quão caro nos é transpor o que está escrito para o viver do mundo e o coração... :/ palavras como liberdade, dignidade e igualdade inda vão ficar um bom tempo grafadas no papel e não nos corações... :/

Primeira Pessoa said...

infelizmente, estas palavras aludidas ainda não sairam do papel, francisco.
o que é uma enorme pena.

cresceremos o suficiente?
aprenderemos o bastante, ao ponto de adotá-las como um mantra?

quedo-me aqui, utópico, sim... mas o realismo me carcomendo pelas beiradas.

abração, poeta!

Pólen Radioativo said...

E que sejam revogadas quaisquer disposições em contrário.

Adorei o estatuto e a Mônica é um doce... Combinação perfeita.

Estou contente de estar por aqui também... que bom que gostaste de minhas errâncias de lá.

Beijos...

Malu said...

Thiago é perfeito aqui.
Parabéns pelo blog.

Bjo ...

Wilson Torres Nanini said...

Õ Roberto,

cê poderia ter pegado leve! Eu tenho o coraçãozinho de um canário-da-terra: eu canto mas tenho o peito feito de pétala. Não resito à essa profusão emotiva que exsurge do teu rincão, com essa foto e essa obra-prima do Thiago...

Vou durar pouco assim! Mas existo para essas emoções.

Forte abraço!

Primeira Pessoa said...

peito de pétala, nanini?
ficou bonitinho...

se o meu fosse feito de pedra, seria de pedra-sabão... e, aí, uma legião de aleijadinhos esculpiria em mim...rs

abraço dominical,

r.

Primeira Pessoa said...

malu,
thiago é perfeito em qualquer lugar. cairia bem no brasil e nas américas todas... e poderia ser bíblia ou corão na faixa de gaza, em israel, em cuba, na coréia do norte, no iraque... no afeganistão...

em todo o lugar.


bem vinda!
beijão,

r.

Wilson Torres Nanini said...

Roberto,

bonitinho? Tá me estranhando! rsrs

Mas esse do Thiago traz à tona o melhor de nós.

Abraços!

Primeira Pessoa said...

uai, bonitinho...rs... bonitão...rs

to estranhando, não... afinal, cê confia ou não confia nas cuecas que usa...rs

bom te rever aqui.

abração,

r.