Tuesday, May 4, 2010

..












Os amigos


Esses estranhos que nós amamos
e nos amam
olhamos para eles e são sempre
adolescentes, assustados e sós
sem nenhum sentido prático
sem grande noção da ameaça ou da renúncia
que sobre a luz incide
descuidados e intensos no seu exagero
de temporalidade pura


Um dia acordamos tristes da sua tristeza
pois o fortuito significado dos campos
explica por outras palavras
aquilo que tornava os olhos incomparáveis


Mas a impressão maior é a da alegria
de uma maneira que nem se consegue
e por isso ténue, misteriosa:
talvez seja assim todo o amor"


O autor destes versos é José Tolentino Mendonça (Machico, ilha da Madeira, 15 de Dezembro de 1965), um Padre, Teólogo e poeta português.

A Música Que Toca Sem Parar:
Renato Braz (que aparece na foto), cantando de Zeca Baleiro, Bambayuque.

45 comments:

Fouad Talal said...

Minha Nossa Senhora do Edifício Maleta!

Tu é amigo do Renato Braz! 8]
Tenho todos os cds dele...

Lindeza de homenagem!
Abraços cantantes e com inveja de atleticano mordido... =)

Primeira Pessoa said...

Fouad,
o Renato tem ido muitas vezes a BH e realizado shows na cidade. Cumé que cê perde um trem desses? Prestenção, menino.
E canta muito, o cara!

Tomara que o próximo show dele, tenha você na platéia.

Abraço celestino do
R.

PS: coincidência das coincidências, Renato almoçou com um grupo de amigos no Maleta... mais exatamente na Cantina do Lucas, antes de seu último show na cidade... Uma apresentação super intimista no teatro do museu Inimá de Paula. e cê perdeu...rs

Maria Vieira said...

os amigos servem pra nos lembrar que sabemos amar verdadeiramente. beijos, ótimo post, poesia e música.

Lara Amaral said...

Poema lindo, mas não mais que a foto, que traduz tudo.

Beijos.

Primeira Pessoa said...

maria,
costumo dizer que a amizade é, ao lado do amor materno, a forma mais aperfeiçoada de amor.
porque o amigo (entre outros clichés) é aquele irmão que a gente escolhe. mesmo porque amizade não envolve grana, sexo, essas coisas que normalmente "estragam" relaçoes mais terrenas...
amizade, quando da boa, é um trem danado de bão.

abração do
r.

Primeira Pessoa said...

ou, de quando uma imagem fala mais que mil palavras, né larinha?

beijão do
roberto.

CANTO GERAL DO BRASIL (e outros cantos) said...

Delima,
Por dizer de amigos, lembrei de você ontem de noite vendo a dupla K&K cantando "Ah!, vira, virou/Meu coração navegador..." na TV Gazeta no programa Todo Seu, do Ronie Von. Vi você (pode crer, poeta: ainda mostrei pra musa-esposa) na tela da 24" que sempre dorme acordada enquanto sonho meus melhores versos que esqueço de manhã. E revi você lá em casa na casa dos 70 discutindo música, poesia e futebol (política, rolava também?)...
E por falar de Renato Braz (o maior cantor do Brasil hoje, depois de Samuel de Abreu...), manda pra mim "Esquina do Continente" no e-mail de sempre, e o que puder mais dele, se puder...

Esse estranho (nem tanto assim, né!) que te ama e crê-sce amado,
Darrama...

Primeira Pessoa said...

da rama,
política rolava também, claro. crescemos durante uma ditadura militar. somos parte daquela que chamam de "geração perdida"... e até a música que escutávamos era uma espécie de manifesto.
geraldo vandré tocava todo dia. chico buarque ficava rouco na vitrola sonata de sua casa.
sonhávamos um brasil livre. e, com a liberdade veio a bunda da carla perez, toda a sorte de duplas breganejas e o bonde do tigrão.
sem querer ser saudosista e perdedor (sendo os dois), escutáva-se melhor música durante a ditadura militar. a produção cultural era melhor, também.

enfim... essa conversa é longa...
pode deixar que te mando a música, sim.
mando hoje ainda.

beijão do
roberto.

Tânia regina Contreiras said...

"Um dia acordamos tristes de sua tristeza"... Isso aí é bem assim, amizade é mais que tudo, o poema bem o diz.

Li acima você falando do tempo em que se fazia música (ai que saudades que tenho!). Veio a bundalização, as aberrações que me nego a chmar de música. E os meus ouvidinhos baianos sorem e sofrem e sofrem com o "rebolation" e coisas do gênero. Nunca pensei de um dia desejar ficar surda, mas já desejei. É só amanhecer em Salvador e sair às ruas às 7 da manhã já ouvindo essas coisas tão ruins que dá vontade de desaparecer.

Abraços

nina rizzi said...

ai, os amigos, andam tão longes de meus pés andantes. e os protegerei de todos cataventos.

vc nessa foto me lembra alguém, acho que persongem dalgum filme. quando lembrar lhe digo.

amei :)
beijos.

Primeira Pessoa said...

pois é, tânia...
é bem por aí o des-caminho.
há duas semanas estive com o luís caldas, na flórida. putz, até ele (que foi criador dessa que chamam de axé music) pareceu-me descontente com o rumo que as coisas tomaram. e o encontro serviu também para eu entender um pouco dessa coisa toda. luís gosta de chorinho, samba (e tantas outras coisas), acaba de gravar um cd inteiro com canções na língua tupi e me recordo de vê-lo cantando no saguão de um teatro uma deliciosa paródia de adoniran barbosa. luís caldas é músico. tem alma de músico.
mas essa turma que taí... essa que entope seus ouvidos...

pelamor de santocristo...

faltou perguntar a ele se ele teria se arrependido de ter começado uma brincadeira musical que virou uma coisa muito maior e pior.

será que seria algo como cê parir um filho e ele cair no crime? (rs).

sou meio exagerado, às vezes. bem sei, que sou.

abração do
roberto.

Primeira Pessoa said...

ah, nina,
se cê falar que o cabelito tá no modelito de mickey rourke em barfly (aquele da vida de Charles Bukowski) eu corto os pulsos.

beijão procê.
r.

pablorochapoesias.com said...

Belíssia contribuição! Um amor cego feito de risos e por vezes lágrimas, onde o riso sobrepõe as lágrimas ao final de tudo!
Parabéns pela belíssima homenagem e todo conteúdo do seu blog que está demais.
Acompanharei de perto seus posts..

Forte abraço!

Primeira Pessoa said...

a amizade, pablo, é uma das mais belas forma de amor..

e este aqui é um espaço onde novos e velhos amigos se encontram para compartilhar palavras, imagens, canções e os sentimentos leves da alma humana.

seja mais que bem vindo, poeta.

abração do
roberto.

Lou Vilela said...

Imagem e poema encantadores, meu caro!

Beijos

p.s.: ah! não esqueceu da receita, né?! Só preciso me recordar do nome do prato para lhe cobrar de forma mais eficaz. rsrs

Primeira Pessoa said...

qual receita, lou?

sou um livro de culinária ambulante...rs... e, pode cobrar, sim.

abração do
roberto.

Lou Vilela said...

Acho que um tal de 'maçã de peito'. :)

Primeira Pessoa said...

ah, isto é fácil...
é comida de buteco... de bh... sucesso de bilheteria na mercearia do lili, lá no bairro santo antônio.

é bão demais da conta.

depois posto procê, lou.

Marcio said...

Foi no Pó de Poesia,mas não foi no Emaranhado. rsrsrs. Tô te esperando lá. Abrçs!!!

Primeira Pessoa said...

marcio,
cheguei lá e dei de cara com um poema tecendo loas a osama bin laden e sartei de banda.

não censuro arte, mas se choro quando escuto uma música de dor-de-cotovelo ou me dá aquele arrepio bom quando leio um poema bonito (ou qualquer outra forma de arte) é natural que a mensagem por detrás do trabalho desperte em mim emoções pertinentes.

vi a queda das torres gêmeas bem de pertinho. e mesmo que não tivesse visto, não veria beleza num poema de exaltação a uma barbárie.

o alcorão é um livro de poemas, mas cismam de interpretá-lo de formas que não me emocionam.
e tem negozinho (e brancozinho) que não tem a menor idéia do que está falando.
se é que me entende.

não, não acendo velas para george bush.
não, não e não para qualquer tirano.
não, não e não, também, para despiracados mentais.

e vou te visitar no outro blog, sim.
será um prazer. vou com alegria.

abração do
roberto.

Magnolia said...

Conheci pela tua mão o Renato e esta musica que adorei...
Beijo

Primeira Pessoa said...

magnólia,
eu carrego o violão desse moço desde que nos conhecemos. renato é um talento imenso e é com grande orgulho que mostro suas cantigas pro mundo.

fico feliz que tenha gostado.
de coração.

Júlio Castellain said...

...
Que beleza.
Abraços, meu camarada.
...

Juliana Vinagre said...

Érre,
Sabe falar de amizade, o padre poeta.
De minha parte, às vezes sinto uma falta danada de você morar mais perto.
Beijo,
Diubs

Primeira Pessoa said...

diubs,
o renato diria que o padre sabe falar de outra coisa (rs)... e eu sei que cê sabe que eu sei que cê sabe...rs... que eu sei que cê sabe o que ele falaria... quando o assunto é padre...rs

ô, se cê estivesse aqui hoje, sairíamos pra beber uns chopes (rs), com costelinha agridoce (tipo aquelas lá do meião do país... com gosto de melado de cana) no landmark, um butecão americano ao lado da casa do kiko.

é pra lá que eu tô indo com o barbudim (o kiko ta cada vez mais parecido com o lula...rs) e com o dj mario bittencourt tão logo eu vaze daqui pra fora.

ja to até com sede.

bora lá??? rs

beijoca do
érre.

Primeira Pessoa said...

julio,
sempre um luxo te ler aqui... ou no seu blog.

abraçào do roberto.

Assis Freitas said...

o amigo

apoio, aboio, joio
mão, boi, trigo
é preciso separar


abração

Primeira Pessoa said...

joio e jóia, também, né?

abração, amigo zé de assis.

Tânia regina Contreiras said...

Ah, Roberto, Luís Caldas é outra história...Sei não, mas ele deve, sim, ter tomado um susto com o que veio depois: nada a ver mais com o que ele, a Sarajane começaram... Enfim, é o ciclo apodrecido e gasto. Esperar o próximo. Ééé...e por aqui tem gente boa, parte da história musical deste país, que fez filho que hoje canta coisa feia e chama de música! Enfim...

Abraços

Primeira Pessoa said...

putz, tania... falando em sarajane, vi uma foto dela no outro dia e tomei um susto...
tudo bem que o tempo passe pra todo mundo...

mas, poxa... sarajane era bem aprumadinha...rs o tempo não foi-lhe vento... foi vendaval...rs

musica baiana: os da tropicalia, mais xangai, elomar, novos baianos (e mesmo os que desertaram), armandinho, roberto mendes (sou fã dele,,,a cho-o fodástico)...

ah, e rosa passos, a maior e melhor de todas e todos...rs

ivete?
poderia ser a melhor daniella mercury do brasil, se quisesse? rs
nenhuma delas me interessa.

claudia leite?
ah, ela já e a melhor ivete do brasil.

estas ultimos todo o resto é tudo bobagem.

Zélia Guardiano said...

José Tolentino Mendonça: Padre, Teólogo, Poeta... Pois eu acrescento mais um título: Santo. Pra mim é santo . Um santo dos nossos dias. Ou não teria inventado esse poema, assim , tão lindo, tão importante, capaz de eliminar o dualismo céu-inferno. Tudo paraíso...

Quanto à música, ai, coisa mais linda! Tinha de ser do Zeca Baleiro, que eu descobri há alguns anos, no meu radinho de pilha, cantando Stephen Fry (daí eu espalhei pros meus filhos, pros meus alunos, pros meus amigos e conhecidos que , finalmente, havia alguém fazendo música de verdade ).

Roberto, você sabe das coisas...

Um grande abraço

Primeira Pessoa said...

to aprendendo, zélia. venho aprendendo...
gosto do zeca baleiro. mas bom mesmo, nesta canção, é a voz de renato braz.

acho-o o melhor cantor do brasil.

sim, eu sei, sou suspeito. mas que canta demais este menino... ah, isto ele canta...
beijão procê.

R.

Fouad Talal said...

R.

Sem querer transformar seu post num chat e ficar te chateando, não podia deixar de comentar os efeitos que essa música está me provocando.

Você que é cozinheiro, vê se me entende:

Tô me sentindo igual um lombo descansado no tempero de um dia pro outro. Tô amaciado, leve, só não dá pra comer, mas é por aí...

Grande abraço e um sentimento de gratidão do tamanho de um coração mineiro!

Marcantonio said...

O meu pai costumava dizer que os conhecidos se amontoam, mas os amigos verdadeiros contamos nos dedos. Mas tenho a impressão que para contar os seus, você teria que se valer de lápis e papel. O seu blog deveria se chamar "Primeiro a pessoa" (será que tem vírgula depois de 'primeiro'?).

Abração.

líria porto said...

sempre fui assim - não troco um amigo, nem por mil amores! agora, se as duas coisas chegarem juntas, é pra se pensar... risos

tenho um poema antigo, vou ver se o acho aqui...
besos

essa foto, beto - só tu!!! acho lindo a devoção tua pelos teus amigos - oba que me sinto incluída!!!

líria porto said...

perdição
líria porto

se eu for a tua amiga
vou te dar mais do que beijo
vou te entregar a montanha
de minas terás o queijo
vou te segurar a mão
engomar tua camisa
refrescar a tua água
fazer o teu doce diet
vou te dar meu travesseiro
o meu colchão a coberta
deixar contigo meu lenço
cantar para a tua festa

mas se eu for a namorada
vais ter tanto prejuízo
perderás o teu juízo
em teu colo eu vou sentar
vou querer da tua boca
beijos beijos e mais beijos
vou deitar-me em tua cama
roubar o teu coração
vou cheirar o teu perfume
arranhar-te ter ciúmes
ficarás desesperado
ao peso do meu queixume

*

besossssssss

Primeira Pessoa said...

fouad,
as cronicas são meia-boca, os poemas e as canções, apesar de elogiáveis, são de autoria de terceiros...

então, pelo menos que a prosa aqui neste cantinho, essa interação, valha a pena...rs

e essa musica é bonita, sim. e o engraçado é que o zeca baleiro, apesar de gravar um disco por ano (às vezes mais, pois ele toca uns projetos meio malucos) jamais a gravou.

outra coisa: entendi a estória do lombo. mas, vindo de um atleticano, achei estranhíssimo. se partisse de um cruzeirense, cês ja iam falar coisas e loisas. rs

é muito bom te receber por aqui.

abração do
roberto.

jorge manuel brasil mesquita said...

QUIMERAS DO MUNDO PASSADO
SÃO ALMAS PERDIDAS DO FUTURO
QUE SEM CHAMA NÃO É FOGO
QUE ALIMENTE O LEITE CHORADO
DO DIA MAIS ESCURO
DO RITMO DO JOGO
QUE A MENTALIDADE DO MEDO
E DO SEGREDO
É A VERDADE DA MENTIRA GERADA
PARA PARECER ABENÇOADA
NO CENTRO DO DEGREDO
ONDE TODO O RISO
É O DISFARCE ACESO
DO POUCO SISO
QUE REINA ENTRE QUEM VIVE PRESO
À SOLIDÃO DA FOME FOMENTADA
PELO CHORO DA RAIZ DECEPADA
À ALMA INDEFESA
QUE EM LÁGRIMAS DERRAMADA
É A VIRTUDE NOCTURNA
DA VERDADE TACITURNA.

nINGUÉM (jORGE mANUEL bRASIL mESQUITA)
sALDANHA - 15H26 - 05/05/2010

Primeira Pessoa said...

lírica,
essa devoção é natural e inerente.

você viu minha turminha na casa de zé pãozim, né?... são carinhosos... merecem carinho...

a amizade é essa estrada de dois sentidos. e o renato é uma das pessoas mais dóceis que conheço... daí o afeto.

e, como ele mesmo diria, "não tem cu no meio"...rs

estou aprendendo a ter amigas depois de véio. sempre fui muito clube do bolinha. a nossa conterrânea juliana vinagre (que te persegue o no blog) abriu esta porta... e aí entraram várias pessoas. inclusive você.

ah, e já que você me proibiu de dizer o nome de adélia prado em vão, baixo o tom: nenhuma amiga minha escreve poemas tão lindos quanto você.

beijo grande do
r.

Primeira Pessoa said...

marcantônio,
seu pai, homem sábio.

to topando mudar o nome do blog para, "Primeiro, as Pessoas"...rs

depois os políticos, os postes,os paralelepípedos, as geladeiras e os arados...rs

falando sério, eu acho que o estamos gravitando no espaço e, à medida que vamos achandos nossos iguais, vamos nos abraçando a eles/elas.

amizade é mais ou menos isto.

sempre bom te ler. sabia?

abraçao do
r.

Primeira Pessoa said...

jorge manuel,
grato pelo poema.

seja bem vindo ao blog, poeta.

abraçao do
r.

Paulo Jorge Dumaresq said...

Meu bom, Roberto.
O poema do padre é a mais completa tradução da palavra "amigo".
Depois de lê-lo fiquei com um nó na garganta.
Algo que não sei explicar com palavras.
Só com sentimento.
Belo, belo.
Grato pelo envio da "Esquina do continente", belamente interpretada por Pedro Mendes e pelo Renado Braz.
Continuidade de ótima semana.
Aceite meu abraço fraterno, caro amigo.

líria porto said...

tremenda responsa!

esse minino canta pacas!!!!!!!!
besos

Primeira Pessoa said...

paulo jorge,
pessoas sensíveis, como você, sofrem esse "pitucho" na goela quando leem um poema bom.
fico feliz que as cantigas tenham chegado bem aos seus ouvidos...rs

abraço carinhoso desse seu amigo mineiro, o
roberto.

Primeira Pessoa said...

lírica,
eu que não to podendo, senão iria pra são paulo nos dias 28 e 29 deste.
este menino estará gravando um cd e dvd com zé renato, ex-boca livre.
se um renato já é bão, imagina dois?
beijos,
r.