Sunday, April 11, 2010

.










Em todas as ruas te encontro

Em todas as ruas te encontro
Em todas as ruas te perco
conheço tão bem o teu corpo
sonhei tanto a tua figura
que é de olhos fechados que eu ando
a limitar a tua altura
e bebo a água e sorvo o ar
que te atravessou a cintura
tanto, tão perto, tão real
que o meu corpo se transfigura
e toca o seu próprio elemento
num corpo que já não é seu
num rio que desapareceu
onde um braço teu me procura

Em todas as ruas te encontro
Em todas as ruas te perco

-Mário Cesariny-


A Música Que Toca Sem Parar,
Novelli entoando Minas Gerais, dele e de Ronaldo Bastos.

18 comments:

Francisco de Sousa Vieira Filho said...

Poético no sentido preciso da palavra... ;)

Primeira Pessoa said...

palavra, no sentido preciso da poética.
abração, francisco!

LauraAlberto said...

Ah, nada como um Cesariny para amnimar um domingo.
Adoro este poema dele!
Bom domingo!
Beijos
Laura

Primeira Pessoa said...

cesariny um dos grandes artesãos da língua portuguesa.
deste eu gosto ha mais tempo e quero ver se posto mais algumas coisas dele por aqui.

entro a partir de hoje numa fase mia couto.
abração dominical, laura!

LauraAlberto said...

E eu agradeço essa nova fase!:-)!
Quanto ao Augusto dos Anjos, confesso, uma vez mais a minha ignorância, mas vou ver se o descubro!
Beijos!
Laura

Cris said...

Oi,Primeira Pessoa....rs
Vi seu perfil no meu blog e vim até aqui. Acho que da primeira vez que estive por aqui, não deixei comentário algum. Perdi-me!
Fiquei um tempão lendo essas poesias lindas e fui embora.Mais rica!
Obrigada!

Voltei agora e deu um nó na garganta! Sou filha e neta de protugueses.
Quando meu avô faleceu, meses depois estive no Porto; cidade natal dele. Mais precisamente na rua Bandeira de Sá.Lembro que subi e desci aquela rua inteira, chorando pra caramba e a poesia que minha vinha na cabeça era essa. Meu avô nasceu nessa rua e acho que como uma mágica, um momento de loucura e devaneio queria encontrar ele, amor maior da minha vida e silenciosamente repetia para mim mesma:
"Em todas as ruas te encontro
Em todas as ruas te perco
conheço tão bem o teu corpo
sonhei tanto a tua figura".

Obrigada de novo por me fazer reviver uma emoção delicosa.
beijo

J. said...

Complementando:

em todas as ruas em que te encontro,
me perco.

Beijão, Roberto.

Primeira Pessoa said...

J,
meus amigos costumam dizer que sou péssima companhia...rs
bebo, fumo, dou péssimos conselhos... quero arrastar todo mundo pra esbórnia.
mas gosto de poesia. e isso meio que me livrará do inferno.

abraço grande do
roberto.

Primeira Pessoa said...

Cris,
fico feliz que tenha voltado. Essa casa é também sua e a chave foica sempre debaixo do vaso de flor, à direita da porta.

sua história é comovente. fico observando minhas filhas e seus avós e vejo ali um tipo de amor tão grande ou, talvez, ainda maior, do que o normalmente inerente a paz e filhos.

seu avô descansa em paz.
sabemos bem que sim.

abração do
roberto.

Primeira Pessoa said...

pesquise, laura... pesquise...
o poema Versos Íntimos, de sua auntoria, é um dos poemas mais famosos da literatura brasikleira.

augusto dos anjos era um punk parnasiano.

abração do
roberto.

Jorge Pimenta said...

De des-encontro em des-encontro se vai cumprindo o caminho... Poema extraordinário de alguém que viveu muito antes do seu tempo (ou no tempo certo,mas no lugar errado)...

Um abraço, Roberto!

Sylvia Araujo said...

Lindíssimo. Adoro os caminhos novos que se abrem sempre que venho aqui.

Beijoca, querido

líria porto said...

lembrei-me deste:

desesperador
líria porto

nas ruas procuro teu rosto
nos rostos procuro teus traços
nos traços procuro teus gestos
nos gestos procuro teus atos
nos atos procuro teu amor
nos amores procuro por ti
e não te acho

*

besossssssssssss

líria porto said...

os melhores amigos são os que nus arrastam pra esbórnia... risos
besos

Primeira Pessoa said...

jorge, meu poeta....
de descaminho em descaminho vamos traçando nossa estrada.
a gente se perde e se perde, mas se acha ante do The End ao final da fita.

Abração, meu poeta.

Seu amigo das terras altas de Minas,
Roberto.

Primeira Pessoa said...

sylvia,
e nós adoramos quando pessoas sensíveis como você, dão o ar de sua graça nesse minifúndio de afetos e quimeras.

abração do
roberto.

Primeira Pessoa said...

lírica,
só não vou nu porque levo vaia.
tô naquela fase de tomar banho vestido...rs

a esbórnia é o meu lugar...rs


saudades d'ocê!
abração do
roberto.

JE said...

Parabéns. Não deu pra ler tudo, mas voltarei; esse espaço é bom demais para deixar de visitado. Abraços.