Saturday, April 17, 2010

.
















Encantos e desencantos de uma moça

Ela acha o chope da kaizer ruim. Prefere o da Brahma.
Sim, ela bebe chope.
E vai ao Mineirão - sempre que pode -, torce pelo Cruzeiro, é fã de Vander Lee, sabe de cor as letras das canções.
Já lhe disseram que é atleticana e que ela ainda não sabe disto. Mas prefere não se explicar.
Para que?
Seu sangue é azul, como o inigualável céu de Minas Gerais.
Nasceu no Vale do Aço. Tem aço nas veias. Ferro no coração.
Desfralda uma bandeira de Minas toda vez que fala.
Seu sotaque não nega: Libertas Quae Sera Tamem.
No recatamento, na forma como cruza as pernas, no jeito de andar e de existir, é toda Minas Gerais.
Parece franzina, pequenina, mas se agiganta nos momentos que a vida lhe exige isto.
Leonina, coração de leão, braba, brabíssima...
Adora os Beatles, mesmo sem ter sido contemporânea do quarteto de Liverpool.
Hoje acende velas para o U2.
Bono Vox é mais que um mito em seu caderno recheado de pessoas do bem. Prefere estas, às pessoas de bens.
Em seu caderno de mitologias, figuras como as do Dalai Lama, Chico Xavier, Betinho e São Judas Tadeu repartem um pedaço de pão, compartilham um chá...
Essa moça sabe separar o joio da jóia.
Sempre soube.
Tem uma alma bonita. É espiritualista. Mas deixou de freqüentar as reuniões que faziam a mochila da vida lhe ficar mais leve.
E ela diz que vai retomá-las. Ela precisa. Vem da fé a luz mais verdadeira, repete baixinho, como quem repete um mantra.
Carrega um quê de irmã carmelita, o que explica certos tabus.
Certos receios.
Certas limitações.
Seu coração é generoso.
É emotiva.
Ela canta e dança e se emociona.
Nos últimos tempos reaprendeu a chorar.
Chora durante filmes, assiste novela, é romântica - sim! -, lê e faz parte de uma espécie em extinção: o das pessoas que lêem e apreciam poesia.
E ela reconhece poesia numa pedra do chão e nas pétalas de uma margarida.
Tem vocação para musa, apesar dos dois pés fincados na ciência.
É cientista.
Em algum lugar de sua casa ergueu um oratório para Carlos Drummond de Andrade.
E outro para os iguais a Albert Einstein:
- Ó Deus, salve o oratório!
- Ó Deus, salve essa mulher!
Um admirador lhe ofereceu, certa vez, uma estrela do céu.
Aceitou.
Hoje sabe dizer o nome da constelação e em qual galáxia essa zelação pulsa e brilha.
Parte de sua vida é drama.
Costuma dizer que os olhos verdes, transparentes, são herança de algum antepassado escocês.
Ninguém acredita.
Vem das esmeraldas dos garimpos, da grama da Praça da Liberdade, o verde bonito de suas pepitas.
Ultimamente anda triste, esta moça.
Caminha com os olhos presos ao chão, está decepcionada.
Perdeu a crença nas pessoas e a esperança no amor.
Perdeu a esperança no Brasil.
Era petista de colar cartaz, mas a turma do presidente Lula tirou dela muito mais que a vontade de testemunhar - em vida - um governo feito por gente do povo.
Essa cambada de políticos que aí vemos, roubou dela o sonho e a fé na existência de um governo que não rouba e não deixa roubar.
E o seu amor pelo rapaz com quem um dia ela planejou construir uma casa no campo, diluiu-se na fraqueza desses homens de papel que habitam a superfície do século XXI.
A ver, vamos, dona moça...
A ver, vamos.
Que Deus se apiede destes homens fracos das Minas Gerais.

*


A Música Que Toca Sem Parar
Simone e Luiz Represas, Feiticeira, de Luiz Represas e Francisco Viana

24 comments:

CANTO GERAL DO BRASIL (e outros cantos) said...

Roberto,
Só te peço uma coisa, poeta: com tuas mãos de Midas com que transformas tudo o que tocas em poesia, dá-me sempre do teu lirismo fino, elegante e sincero...
Belíssimos encantos e desencantos, amigo, puseste nessa crônica de se emoldurar...

Com admiração,
Ramúcio.

Matéria Escura said...

gostei da escrita, meu caro.
minas e suas meninas e suas pepitas...
roubaram todo nosso ouro

lágrima said...

Roberto, fantástico este texto. Forma de expressão agradabilissima de ler.
Muito bom, gostei imenso.

Primeira Pessoa said...

Lágrima,
sua presença neste blog é motivo de alegria. Volte sempre.

Abração do
Roberto.

Primeira Pessoa said...

Matéria Escura,
Minas Gerais é um lugar especial.
Abraço do
Roberto.

Primeira Pessoa said...

Ramúcio,
ainda estou fora de casa, viajando a trabalho. Retoma minha vida esta semana, recolocando meu trem nos trilhos.
Desculpe-me pela falta de tempo de visitá-lo.
Sua doçura e generosidade me comovem, poeta.
Abraço meu.
R.

líria porto said...

que a moça se aprume! o time dela dá-lhe motivos - o meu não... risos

(tu sabes - temos, tu e eu, esta divergência)

quando eu era menina e chorava,, meus olhos ficavam verdes - agora têm essa cor de folha seca, muito mais triste.

besos

Primeira Pessoa said...

lírica,
esta cronica é beeeeeem antiguinha. e escrevi-a a partir de uma cronica de roberto drummond (e ele ainda respirava e torcia pro galo). ele falava de personagens de santana dos ferros (aliás, um dia vou a santana dos ferros), cidade onde ele nasceu.
hoje me deu uma saudade enorme dele.
ele tinha esse papo de pessoas cujos olhos mudam de cor dependendo de seu estado emocional.
pessoas como você.

os meus também mudam de castanho para groselha.
depende do tanto que bebi...rs

beijao domingueiro
roberto.

Jorge Pimenta said...

Ena, Roberto, se os mineiros são pessoas tão complet(x)as, imagino como sejam os ares de Minas. Na maestria da tua pena, está lá tudo: as trivialidades e a magnanitude; a ciência e a poesia; a matéria e o espírito; a política e a... verdade.
Um abraço, mago da escrita!

Primeira Pessoa said...

Jorge,
fica aqui feito o convite para conhecer Minas Gerais, o mais lusitano de todos os estados brasileiros.
Você será recebido de braços abertos.
Abração, poeta de Braga!

Jorge Pimenta said...

Obrigado, querido Amigo!
Retribuo o convite com o coração aberto. Tenho, já, os braços estendidos sobre o Atlântico, mas estes serão ainda maiores quando pises as terras que me seguram os pés. Fico a aguardar.

Um abraço!

Cris said...

Uau...Uma mulher com todos os cantos e recantos definidos; mudar qq coisa vai ser batalha à vista....rs
Acho que mesmo sem esperança nesse partido de (deixa pra lá....rs) ela volta a acreditar. Ainda que seja em si mesma e na força dessa raça: femêa....rs

Ei, poucas pessoas conhecem essa música de Luiz Represas... Feiticeira. Ela é linda !

beijos

lágrima said...

Me deixou sem jeito, Roberto.
Este texto me encantou tanto que voltei umas tantas vezes para relê-lo e só agora reparei no seu comentário...
Obrigada, fiquei contente :))

Ledium Franciscus said...

Só um mineiro pode encantar com leveza
a dureza da vida.
Que seríamos de nós
sem a beleza e a poesia
das montanhas da Boa Esperança
das Minas Gerais.
Belo texto.
De um catarinense ou melhor barriga-verde
na cinza metrópole do sul da América

Wilson Torres Nanini said...

Galo e Raposa se completam. Meu avô materno era atleticano convicto, meu pai é cruzeirense (vez-outra tenho cisma que começou a torcer pelo Cruzeiro pq meu avô não queria lhe dar a mão de minha mãe). Eu (primeiro neto, primeiro filhos), pra me distanciar da disputa de atenções, virei são-paulino aos 12 anos, mas confesso que quando Atlético e Cruzeiro jogam, torço por gol cada vez que um deles sobe ao ataque.

Sua Crônica (falo de sua especialidade) é uma das melhores. As coisas de Minas ficam mais mineiras nas suas palavras, meu amigo.


Fortíssimo abraço!!!

Primeira Pessoa said...

nanini,
mineiro sãopaulino? rs...
isso não existe... juro que não existe...
mas vou fazer um trabalho de base com você: levarei zézé perrela, tostão, kléber e sorín à sua casa para uma conversa de pé-de-ouvido.
levarei o mascote raposão com uma cesta de produtos celestinos para as crianças da sua rua.
o cruzeirense aécio neves, nosso ex-governador, fará um discurso na frente do seu portão.
o cruzeirense milton nascimento cantará Travessia à sua janela...
pintarei de azul o teto da sua casa.
e se, mesmo assim você não se convencer, para me vingar desse atrofiamento (rs... você ja viu um paulista cruzeirense?) eu pintarei de azul, a grama da sua cidade.


junte-se aos bons (hoje nem tão bons assim, após a vexatória derrota para o Ipatinga, ontem).

Beijão, poeta...rs

Primeira Pessoa said...

Ledium Franciscus,
santa catarina é linda. gosto daí. tenho familiares que vivem no circuito floripa-balneário camboriú.
Fico honrado lendo suas palavras.
E te deixo um abraço amigo.

Roberto.

Primeira Pessoa said...

Lágrima,
você que vem do Alentejo, berço de florbela espanca e uma de minhas regiões favoritas em Portugal...
você que foi, mas voltou...
você, que é bem vinda a este cantinho...
você, que é muito bem vinda por aqui.

receba um abraço meu.
R.

Primeira Pessoa said...

cris,
a versão de feiticeira que mais me agrada é a "original", em que luiz represas canta com pablo milanés.

você conhece esta versão?

abraço grande do
roberto.

Primeira Pessoa said...

Jorge,
tanto quanto dos seus poemas, gosto dos posts inspirados (e cheios de poesia) que derrama por aqui.

belíssima imagem, esta, dos braços fazendo a ponte sobre o oceano que separa a nossa amizade.

te mando daqui, um abraço com braços destes, braços de encurtar atlânticos.

seu amigo e fã

RL

Cris said...

Oi Primeira Pessoa.....rs

Como filha e neta de portugueses, como cidadã portuguesa tenho obrigação de conhecer essa maravilha....rs

Um presente da Segunda Pessoa pra vc!

http://www.youtube.com/watch?v=q-BFaLq2nBo

beijo e uma semana de muita paz!

líria porto said...

de verde pra groselha - tu num prestas, beto!!!
besos

*

Primeira Pessoa said...

isso é porque eu não comento sobre aquele cigarrim...
aquele...rs
nem preso. nem por decrfeto do lula eu falo.

eu calo.

lírica, eu nunca vali grande coisa...rs

Primeira Pessoa said...

vá a minas gerais, cris... vá, sim.
ouro preto é uma vila portuguesa, transportada nas nuvens desde portugal até as montanhas mineiras, segundo poema de sérgio godinho, musicado por milton nascimento).

to indo ao youtube ver o video que indicou.

abração do
roberto.