Sunday, January 17, 2010

.

















As palavras

Vira-as,
pega-as pelo rabo (chiai, putas),
açoita-as,
adoça-lhes a boca às reguilas,
enche-as, balões, pica-as,
chupa-lhes sangue e tutano,
seca-as,
capa-as,
pisa-as, galo galante,
torce-lhes o gasganete, cozinheiro,
depena-as,
estripa-as, toiro,
boi, arrasta-as,
fá-las, poeta,
faz que se traguem todas as tuas palavras.


Octavio Paz

32 comments:

Dois Rios said...

Querido Roberto,

Poetas da cepa de um Octavio Paz dão às palavras o mesmo peso do silêncio. É o que dizem e como dizem. Não nos sobram arestas a aparar.

De resto, eu diria que as palavras aprisionam, libertam, acariciam, desprezam, assentem e negam. Há que saber ouví-las. Há que saber entende-las. "Fá-las poeta."

Beijos, menino!
Inês

Primeira Pessoa said...

ô, Inês,
Octávio paz é gênio.
gosto demais das coisas dele.
e to prevendo pra mim um período fértil nessa minha escrita menor, para muito em muito em breve... sinto, como quem pressente a chegada das chuvas.

e isso eu sionto em meus ossos.

abraço grande desse seu amigo,
roberto.

Lara Amaral said...

Que bom que há pessoas como vc para apresentar para os jovens alienados aqui a "turma da pesada", como vc disse na outra resposta, hehe.

Aliás, incrível este poema, dá vontade de sair amassando tudo quanto é papel em que se escreve. Como escrevo direto no pc, ficarei só com a vontade de estraçalhar mesmo, o que já é um bom sentimento unido aqui à minha tpm. rsrs...

Beijos.

CANTO GERAL DO BRASIL (e outros cantos) said...

Roberto,
esse mexicano é dos meus escritores preferidos também. E que venham as chuvas, que venham seus versos molhados de sol.

Fã do seu afã,
Ramos de cio.

Assis Freitas said...

O mestre Octávio além de poeta de alta cepa era um profundo pensador. Seu livro O arco e a lira é uma espécie de bíblia dos estudos literários. Abraço.

líria porto said...

vou quebrar as canetas, os lápis, desfolhar as palavras, rasgar essa minha mania de fazer versos!!!

que lindo esse poema!! octavio paz e as suas palavras atormentadas!!!

besos

Paulo Jorge Dumaresq said...

Roberto, na medida do possível tenho tragado algumas palavras e na do impossível abortado outras tantas. Esse Octavio Paz não é mole, não. Poema soberbo. Abs e excelente semana na sua Newark.

Marisete Zanon said...

Forte, agressivo e magnífico! Nunca havia lido ou visto o autor. Belo espaço criastes aqui. Estou seguindo e vou linkar
um abraço

cirandeira said...

Olá Roberto, gostei muito de sua visita e espero continuar recebendo-a. Terei imenso prazer.
Quanto ao seu blog, começo por falar em primeiro lugar,sobre o que vc escreveu em seu "perfil": um texto muito gostoso de se ler,
que nos vai envolvendo do começo ao fim.Tão "raso" como uma vereda que vai nos levando até um rio cheio de pedrinhas, pedregulhos, sem nos darmos conta da queda d'água que se aproxima...as palavras vão brotando naturalmente! Muito bom, gostei muito.
Otávio Paz? Já lí alguns livros dele, mas quem sou eu para comentá-lo. Apenas que gosto muito
do que ele escreve.
Minas Gerais!...Digo sempre que alí é um verdadeiro celeiro de artistas, poetas, escritores, músicos...Uma terra privilegiada!

Um abraço e volte sempre

Primeira Pessoa said...

Larinha,
essa partilha aqui da blogosfera é boa demais. Eu não conhecia nada de Eugénio de Andrade, Mia Couto ou Daniel Faria, só para citar alguns. E não é alienação, não. É falta de acesso, mesmo.
Aqui, partilhamos tudo.
E com a alegria.
Abração do
Roberto.

Primeira Pessoa said...

Ramúcio, cê gostou do apelido que te arrumaram, ein?
eu também gostei, ramos de cio.
e adoro octavio paz.
abração do seu amigo
roberto.

Primeira Pessoa said...

putz, Assis, lembrei-me de outro dia o Caetano ter declarado que carlinhos Brown é um grande pensador.
Por essa ordem de idéias, Octávio Paz é um excelente percussionista.
ando com preguiça dessa necessidade de atenção de caetano, um dos meus ídolos de sempre.
abração do
roberto.

Primeira Pessoa said...

Paulo Poeta, o quarto mago de natal, que segundo o Vampeta, teria sido a terra onde nasceu papai noel.
o que sei?
só sei que octávio paz não é moleza e você é um novo amigo.
isso me deixa feliz.
abraços do
roberto.

Primeira Pessoa said...

marisete,
eu é que me sinto extremamente honrado por tê-la nesse espaço que já recebe um crescente numero de amigos tão legais, que chega a parecer que os conheço de priscas eras.
faça-se em casa.
abração do
roberto.

Primeira Pessoa said...

cirandeira, tenho grandes amigos em sua cidade. e um em especial, o violonista manassés de souza.
nossos re-encontros são épicos.
talvez seja por isto que Deus só nos permite encontros bissextos.
que eu não demore a vê-lo.
bateu uma saudade boa por aqui.

venha sempre aqui. sinta-se em casa.
adorei seu espaço, feliz reunião de palavra e imagem.
já virei freguês.

abração do
roberto.

Primeira Pessoa said...

lírica,
e a gente que ja leu tanto e ainda não leu tudo...
já parou pra pensar nisto?

abração do
roberto.

Flor ♥ said...

Olá,Roberto!

Octávio Paz é um excelente poeta, gosto muito. Virei muito por aqui, conhecer a qualidade deste blog tão precioso...
Obrigada pela visita e pelo comentário no Interlúdio com Florbela. Pelo visto partilhamos a admiração pela mais bela Flor do Alentejo!

Boa semana!
Bjs.

Primeira Pessoa said...

florbela espanca sempre foi e será uma de minhas favoritas.
a versão musicada de Fanatismo (Fagner fez uma belíssima versão cantada do poema) ficou pra sempre guardada em mim.

bem vinda ao blog.
sinta-se em casa.

abração do
roberto.

Magnolia said...

São como um cristal,
as palavras.
Algumas, um punhal,
um incêndio.
Outras,
orvalho apenas.

Secretas vêm, cheias de memória.
Inseguras navegam:
barcos ou beijos,
as águas estremecem.

Eugenio de Andrade
Beijo Roberto...e boa semana

líria porto said...

e nem vai ler... risos

ah, aquele meu comentário acima - a primeira parte é um desabafo meu, a vontade de desistir das minhas maltraçadaslinhas depois de ler um grande poeta.

a segunda é a admiração pelo poema do octavio paz, publicado aqui... conheço pouco a obra dele - preciso me aplicar mais!!

besos
besos
besos

LauraAlberto said...

Roberto, é sempre bom dar um pulinho (alias um grande pulo) ao seu blog. Aguardamos os seus poemas. Que esse frio o desperte.
Beijinho

Primeira Pessoa said...

magnólia,
começar a semana com eugénio é, definitivamente, começar com o pé direito.
que beleza!
ótima semana procê também.
beijão do
roberto.

Primeira Pessoa said...

lírica,
e eu que pensei que cê tava dando umas viajadas poéticas...rs
nunca pensei em parar de escrever.
ja pensei em parar de fumar, coissas assim...
escrever?
"jamé!"

beijão
Roberto.

Primeira Pessoa said...

Laura,
não escrevo um poema desde que Salazar andava no Liceu.
Acredite: eu adoraria poder escrever poesia novamente.
no dia que sair alguma coisa, vocês serão os primeiros a ler.

beijão de início de semana pra ti.


roberto.

Maria Andrade Vieira said...

eu adoro esse cara! ele é genial, desde os poemas até a teoria... "signos em rotação" mudou tudo pra mim, agora sou uma pessoa muito pior. rs. mais atormentada.
beijos pela feliz escolha!

Primeira Pessoa said...

Maria,
pra quebrar essa maldição você terá que fazer uma coisa muito ruim... algo do tipo, ler o último livro do Paulo Coelho... dizem que desencanta... quebra o feitiço das palavras... sei lá...rs algo assim...
esse atormentamento é fueda...
acho que fiquei assim desde que a vida beijou minha boca e eu soprei um poema no ouvido de alguém. muito pior do que nunca mais ter sido o mesmo, nunca mais fui ninguém. é fueda!
deu nisso.
mas poderia ter sido bem pior.

beijão
roberto.

putas resolutas said...

falas, bob, como que faz versos...
besos

o código ali, que eu devia digitar, olha que lindo: vendwar (até voltei aqui)

putas resolutas said...

lembrei-me de algo que fala disso, de parar de escrever...

lavai:

ninho de guaxe
líria porto

muita vez eu fico grávida
gravidez imaginária
e gesto versos

as minhas letras meninas
desajeitadas traquinas
são descabelos

se para muito não servem
já por isso me completam
é bonito ser poeta

nas horas de algum juízo
eu juro para mim mesma
agora chega de rimas

escrever no entanto é vício
eu vivo prenhe do ofício

*

besossssssssss

Primeira Pessoa said...

bob? rs
ah, líria... bob é fueda!
só afonso borges me chama de bob. e, agora, você.
vou fazer de conta que não escutei...rs
abração do
roberto.

Primeira Pessoa said...

completando... complementando...
"parar de escrever é parar pra morrer".

a palavra nos eterniza.
beijão do seu fã,

R.

líria porto said...

bob só sai da minha boca no link lá do putas... coisa dessas desbocadas... risos

releva!
besos

Primeira Pessoa said...

lírica, não se preocupe:
também sou boca suja...
falo palavrão pra caráleo... e, convenhamos, bob é palavrão.

eu, ein!